01/09/2014

Droga experimental contra ebola tem 100% de eficácia em testes em animais

Atualizado em  29 de agosto, 2014 - 18:15 (Brasília) 21:15 GMT

Médicos em treinamento para tratar o ebola, na Bélgica, em 26 de agosto (AP)
Médicos em treinamento contra o ebola; medicamento ZMapp é o principal coquetel disponível para tratá-lo
Os únicos resultados de testes clínicos feitos até agora com a droga experimental ZMapp, cuja finalidade é combater a infecção pelo vírus ebola, mostram que ela teve 100% de eficácia em macacos, mesmo em casos avançados de infecção.
Os pesquisadores responsáveis pelo estudo, cujos detalhes foram divulgados na revista +++Nature, disseram que se trata de "um importante passo adiante". Eles agora querem iniciar testes clínicos em pessoas para entender melhor os efeitos da droga.
O ZMapp ainda está em estágio inicial de desenvolvimento. Até agora, não havia dados sobre sua eficácia.
Médicos vêm recorrendo a ele - mesmo sem que ele tenha recebido aprovação para uso em pessoas - pelo fato de o ebola não ter cura. A doença matou mais de 1,5 mil pessoas na atual epidemia, iniciada na Guiné, no oeste da África.
No entanto, mesmo que a eficácia do remédio em humanos seja comprovada, os limitados suprimentos da droga não serão capazes de ajudar as 20 mil pessoas que, segundo estimativas, ainda devem ser infectadas na atual epidemia no oeste da África.
Além disso, sabe-se que duas em cada sete pessoas que já receberam o medicamento acabaram morrendo em decorrência do vírus.

Anticorpos

Pesquisadores têm investigado diferentes combinações de anticorpos como terapia contra a doença.
Combinações prévias obtiveram algum sucesso em estudos com animais. E o ZMapp é o coquetel mais recente, contendo três anticorpos.
Os testes desse coquetel, feitos em 18 macacos infectados com o ebola, mostraram que 100% deles sobreviveram - inclusive animais que receberam a droga até cinco dias após a infecção, ou seja, já em estado avançado da doença e três dias antes de ela se tornar fatal nos animais.
Os cientistas dizem que trata-se de um feito significativo, já que medicamentos prévios só serviam se fossem ingeridos antes mesmo que os sintomas surgissem.
Um dos pesquisadores, Gary Kobinger, da Agência de Saúde Pública do Canadá, disse que esse é um grande avanço em relação a combinações prévias de anticorpos.
"O nível de avanço superou minhas próprias expectativas e me surpreendi com o fato de (o coquetel) resgatar animais até o quinto dia (de infecção); é uma notícia fantástica", diz ele.
No entanto, cientistas costumam ser cautelosos quanto a interpretar implicações para humanos de testes animais.
Um médico liberiano e um padre espanhol morreram de ebola, mesmo sendo tratados com o ZMapp. Em contrapartida, dois médicos americanos que se conseguiram se recuperar também receberam o ZMapp.
O curso da infecção é mais lento em humanos do que nos macacos. Por isso, estima-se que o ZMapp só seja eficaz em humanos se ingerido até o nono ou 11º dia da infecção.
Mas, segundo Kobinger, "sabemos que há um ponto sem volta, em que os órgãos principais do corpo sofrem muitos danos, então há um limite (ao medicamento)".

Testes em humanos

O virólogo britânico Jonathan Ball, da Universidade de Nottingham, comentou o resultado da pesquisa dizendo que, antes dela, "o ZMapp era um mistério total".
"Trata-se de uma melhora incrível quanto aos coquetéis prévios - 100% de sucesso e, sobretudo, após os primeiros sintomas da infecção", agrega ele.
O professor Peter Piot, diretor da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, afirmou nunca ter imaginado, "40 anos após eu ter me deparado com minha primeira epidemia de ebola, que a doença continuaria a provocar mortes em uma escala tão devastadora".
"Esse bom teste em não-humanos oferece a evidência mais convincente até agora de que o ZMapp pode ser um tratamento efetivo às infecções de ebola em humanos", afirma. "É crucial que testes em humanos comecem o mais rápido possível."

 http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/08/140829_ebola_droga_experimental_pai.shtml

O mistério por trás do desmaio de 200 meninas na Colômbia

Da BBC Mundo
Atualizado em  29 de agosto, 2014 - 20:08 (Brasília) 23:08 GMT
Meninas colombianas sofrem desmaios / Crédito: El Heraldo
Mais de 200 meninas sofrem com os sintomas, mas o mistério da causa deles ainda não foi desvendado
Nos últimos 12 dias, os médicos de El Carmen de Bolívar, uma cidade no norte da Colômbia, já atenderam pelo menos 200 meninas com sintomas muito parecidos: desmaios, tonturas, dor de cabeça, dormência e formigamento em várias partes do corpo. A razão para essas reações ainda é um mistério.
Elas não foram as primeiras a darem entrada no Hospital Nuestra Señora del Carmen com quadro similar. De acordo com o prefeito de El Carmen de Bolívar, Francisco Veja, foram registrados um total de 276 casos como esse desde o meio do ano. Todos com adolescentes, sendo a maioria deles estudantes do Colégio Espírito Santo.
O próprio Ministro da Saúde da Colômbia, Alejandro Gaviria, citou na última quinta-feira "246 meninas que apareceram com sintomas bizarros".
Diante desse quadro, aumentaram as especulações sobre as causas que estariam levando as jovens a desmaiarem. Na falta de um diagnóstico preciso, multiplicam-se as teorias que correm no boca a boca entre os colombianos.
Para acabar com as especulações, especialmente as que ligam os casos a uma possível reação adversa à vacina contra o Vírus do Papiloma Humano (HPV), o ministro da Saúde convocou uma coletiva de imprensa e revelou a hipótese "que parece mais provável no momento" – e que é, inclusive, "apoiada por especialistas". Segundo Gaviria, os sintomas seriam uma ‘resposta psicogênica em massa’.

'Medo coletivo'

"A resposta psicogênica em massa é uma espécie de sugestão de medo coletivo que se contagia de um lado para o outro e termina apresentando um fenômeno estranho", explicou o ministro aos jornalistas.
"Os sintomas aparecem, mas quando os médicos vão examinar clinicamente as meninas, não encontram nenhum tipo de doença."
O ministro citou casos similares ao redor do mundo, um deles que aconteceu no Taiwan, após uma campanha de vacinação em massa para prevenir a gripe suína (N1H1), e outro na Austrália, mas sem dar datas, nem mais detalhes de como aconteceram.
Garotas colombianas / Crédito: El Heraldo
Famílias das garotas colombianas sofrem com falta de diagnóstico para o problema
No entanto, Gaviria insistiu que as meninas estão, sim, doentes.
"Não é que essas meninas não estejam doentes, elas estão. Não estamos subestimando o problema. O problema tem que ser levado a sério e seguiremos acompanhando e apoiando a comunidade, mas isso não parece ser um problema de uma doença clínica."
Alejandro Gaviria ainda acrescentou que o Ministério da Saúde colombiano quer trabalhar nesta semana com a Associação Colombiana de Psiquiatria, que se mostrou disposta a se deslocar até El Carmen de Bolívar para estudar os casos.
O ministro novamente reiterou que o motivo para os sintomas nas garotas não aparenta ser clínico e que nada tem a ver com a vacina contra o vírus do HPV. "Não há nenhuma evidência que possa haver uma relação entre as duas coisas", acrescentou ele, insistindo que tem o apoio da Organização Mundial da Saúde, da Organização Pan-Americana da Saúde "e de todas as associações científicas."

Mistério continua

As explicações do ministro não convenceram a todos. "A coletiva de imprensa dele abalou os ânimos de vários pais das garotas", explicou Vicente Arcieri, jornalista da sucursal do El Heraldo em Cartagena das Índias.
Uma hora depois da coletiva de imprensa, várias pessoas protestaram por cinco horas em Troncal de Occidente - a estrada que liga o interior do país com a costa - pela postura das autoridades com o caso.
O jornalista Vicente Arcieri está acompanhando bem de perto o caso e esteve no Hospital Nuestra Señora del Carmen na última quinta. Segundo ele, somente nesse dia, 10 meninas deram entrada no hospital com os sintomas já conhecidos – desmaios, tonturas, dormência e formigamento em várias partes do corpo.
Foram esses os casos mais recentes de um fenômeno que tem preocupado cidadãos e autoridades colombianas há meses. Dez das primeiras pacientes que deram entrada no Hospital Nuestra Señora del Carmen estão sendo tratadas em Bogotá, no Hospital Infantil Universitário de San José.
Uma delas é a filha de María Romero. Foi a primeira das que apresentaram os sintomas em El Carmen de Bolívar, no dia 21 de março. Elas recorreram primeiro ao centro de saúde da região e tiveram que voltar para lá pela mesma razão em 23 de abril.
"Desde então não tivemos descanso", contou Romero à BBC por telefone.
No hospital de Bogotá, disseram que o resultado de um teste feito com a filha de Romero apontou que ela teve intoxicação por chumbo, assim como outra menina do grupo.
O chefe de toxicologia do hospital, Camilo Uribe, explicou na quarta-feira ao diário colombiano El Tiempo que não havia características claras ou específicas que indicassem o que as outras pacientes poderiam ter. E acrescentou que os próximos exames estariam focados em endocrinologia, imunologia e psiquiatria.
As autoridades informaram que o diagnóstico sairá em uma semana. Uma resposta que poderá acabar com o mistério e acalmar os ânimos na Colômbia.

 http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/08/140829_misterio_meninas_colombia_rm.shtml

Exercícios de Genética

01. (UFLA) No milho, a textura da semente pode ser lisa devido ao alelo Su e rugosa devido ao alelo su. A cor da semente pode ser amarela devido ao alelo Y e branca devido ao alelo y. A planta pode ser alta devido ao alelo Br e baixa devido ao alelo br. Uma planta pura, alta, de semente lisa e amarela, foi cruzada com outra planta pura, baixa, de semente rugosa e branca. Na geração F1, observaram-se 100% das plantas altas, de semente lisa e amarela. Se as plantas da geração F1 forem intercruzadas, o número de gametas produzidos pelas plantas F1 e a proporção fenotípica esperada na geração F2 será, respectivamente:
a) 4 e 3:3:3:1:1:1.
b) 8 e 27:9:9:9:3:3:3:1.
c) 8 e 9:3:3:1.
d) 16 e 9:3:3:1.
e) 16 e 27:9:9:9:3:3:3:1.
02. (FUVEST) Em uma população de mariposas, 96% dos indivíduos têm cor clara e 4%, cor escura. Indivíduos escuros cruzados entre si produzem, na maioria das vezes, descendentes claros e escuros. Já os cruzamentos entre indivíduos claros produzem sempre apenas descendentes de cor clara. Esses resultados sugerem que a cor dessas mariposas é condicionada por:
a) Um par de alelos, sendo o alelo para cor clara dominante sobre o que condiciona cor escura.
b) Um par de alelos, sendo o alelo para cor escura dominante sobre o que condiciona cor clara.
c) Um par de alelos, que não apresentam dominância um sobre o outro.
d) Dois genes ligados com alta taxa de recombinação entre si.
e) Fatores ambientais, como a coloração dos troncos onde elas pousam.
03. (UPE) Em um vegetal, existem três pares de genes A, R e M, situados no mesmo cromossomo e a, r e m, no seu homólogo.
Pesquisas revelaram:
A – R = 3,5% de permuta.
A – M = 17,4% de permuta.
R – M = 13,9% de permuta.
Encontrando-se mais um gene T, cuja frequência de permuta é entre M – T = 15 e R – T = 1,1 podemos deduzir que a frequência entre A – T e a posição de T no cromossomo são, respectivamente:
a) 3,4%, entre os genes M e R.
b) 16,3%, entre os genes R e M.
c) 12,8%, entre os genes A e R.
d) 1,4%, entre os genes A e M.
e) 2,4%, entre os genes A e R.
04. (U.F. Uberlândia) Admitindo-se que fosse possível isolar núcleos de células intestinais de um coelho macho A, implantados em óvulos de uma coelha B, previamente enucleados, e conseguir seu desenvolvimento no útero de uma coelha C, teríamos em consequência descendentes:
a) Triploides.
b) 50% machos e 50% fêmeas.
c) Todos machos idênticos a A.
d) Todas fêmeas idênticas a B.
e) Todas fêmeas idênticas a C.
05. (FUVEST) Considere os seguintes cruzamentos para ervilha, sabendo que V representa o gene que determina cor amarela dos cotilédones e é dominante sobre o alelo v, que determina cor verde.
I.  VV x vv
II.  Vv x Vv
III.  Vv x vv
Um pé de ervilha, heterozigoto e que, portanto, pode produzir vagens com sementes amarelas e com sementes verdes, pode resultar:
a) Apenas do cruzamento I.
b) Apenas do cruzamento II.
c) Apenas do cruzamento III.
d) Apenas dos cruzamentos II e III.
e) Dos cruzamentos I, II e III.
06. (PUCCAMP) Com relação à pelagem de uma determinada raça de cães, a cor preta é condicionada pelo gene dominante B, e a branca, pelo seu alelo recessivo b; o tipo crespo é condicionado por outro gene dominante L, e o liso, pelo seu alelo recessivo l. Do cruzamento entre um exemplar preto-crespo e um preto-liso nasceram 2 filhotes preto-crespos, 2 preto-lisos, 1 branco-crespo e 1 branco-liso. Os prováveis genótipos dos pais e dos filhotes de pelagem branca são:

Pais
Filhotes
a
BbLL;Bbll
bbLl;bbll
b
bbLl;bbll
BbLl;Bbll
c
BbLl;Bbll
bbLl;bbll
d
BbLl;Bbll
BbLl;Bbll
e
BbLl;BbLl
bbLl;bbll
07. (UPE) Admitindo-se que a herança da cor da pele na espécie humana seja devido a dois pares de genes aditivos, o negro teria o genótipo AABB e o branco aabb. Entre os fenótipos extremos existiriam mais 3 fenótipos, cuja intensidade seria determinada pela quantidade de genes A ou B.
   GENÓTIPOS       FENÓTIPOS
       AABB        Negro
       AABb       AaBB
Mulato escuro
       AAbb       AaBb       aaBB
Mulato médio
       Aabb aaBb
Mulato claro
       aabb        Branco
Cláudia é mulata média, filha de mãe preta, casa-se com Ednaldo que é preto. Assinale a alternativa que indica os fenótipos e respectivas probabilidades dos descendentes deste casal.
a) Mulato escuro-1/4; mulato médio-1/2; mulato claro-1/4.
b) Mulato médio-1/2; mulato claro-1/4; branco-1/4.
c) Preto-1/2; mulato médio-1/4; mulato claro-1/4.
d) Preto-1/4; mulato escuro-1/2; mulato médio-1/4.
e) Mulato claro-1/4; preto-1/4; mulato médio-1/4; mulato escuro-1/4.
08. (UFLA) O alelo que manifesta o seu fenótipo tanto nos indivíduos homozigóticos como heterozigóticos é denominado:
a) Letal.
b) Epistático.
c) Recessivo.
d) Dominante.
e) Ligado.
09. (OBJETIVO-SP) Em camundongos, o genótipo aa é cinza; Aa é amarelo e AA morre no início do desenvolvimento embrionário. Que descendência se espera do cruzamento entre um macho amarelo com uma fêmea amarela?
a) 1/2 amarelos; 1/2 cinzentos.
b) 2/3 amarelos; 1/3 cinzentos.
c) 3/4 amarelos; 1/4 cinzentos.
d) 2/3 cinzentos; 1/3 amarelos.
e) Apenas amarelos.
10. (UFLA) Considere as proposições seguintes.
I. O enunciado da Primeira Lei de Mendel diz que os alelos de um gene separam-se durante a formação dos gametas.
II. O enunciado da Segunda Lei de Mendel diz que quando dois ou mais genes estão envolvidos, cada um atua e segrega independentemente dos demais.
III. A fase da meiose, responsável pela ocorrência da Segunda Lei de Mendel, é a Anáfase I.
Assinale:
a) Se somente I e II estiverem corretas.
b) Se somente I e III estiverem corretas.
c) Se somente I estiver correta.
d) Se somente II e III estiverem corretas.
e) Se I, II e III estiverem corretas.
11. Os genes presentes nos cromossomos humanos, em conjunto com fatores ambientais, determinam as características fenotípicas individuais dos seres. Em relação a esse assunto, verifique as proposições abaixo.
I   II
0 0 – Nas regiões não homólogas dos cromossomos sexuais, é intensa a atividade de recombinação gênica.
1  1 –  Gêmeas monozigóticas podem apresentar diferenças fenotípicas relacionadas aos genes localizados no cromossomo X.
2   2 – Quanto maior a variabilidade genética de uma população, maior é o número de genes em heterozigose.
3   3 – Cada um dos cromossomos do cariótipo humano contém o mesmo número de genes.
4   4 – Os genes quando ativos sempre determinam a síntese de uma proteína.
12. (UPE) O heredograma a seguir se refere a um tipo de miopia e as pessoas representadas pelas figuras cheias são míopes.
12
Baseado no heredograma, responda a alternativa correta, considerando M para o gene dominante e m para o recessivo:
a) É um tipo de herança recessiva ligada ao sexo e o genótipo das pessoas II-3 e 4 é Mm.
b) A herança é dominante, ligada ao sexo e os genótipos das pessoas I-1 e 2, são, respectivamente, MM e mm.
c) A herança é holândrica, míope é dominante em relação ao normal e o genótipo de III-5 é mm.
d) A miopia é recessiva em relação ao normal, não dependendo do sexo e o genótipo da pessoa III-4 é MM.
e) Este tipo de miopia é autossômica recessiva e o genótipo do indivíduo II-3 é Mm.
13. (PUC-SP) A 1a lei de Mendel considera que:
a) Os gametas são produzidos por um processo de divisão celular, chamado meiose.
b) Na meiose, os pares de fatores se segregam independentemente.
c) Os gametas são puros, ou seja, apresentam apenas um componente de cada par de fatores considerados.
d) O gene recessivo se manifesta unicamente em homozigose.
e) A determinação do sexo se dá no momento da fecundação.
14. (CESGRANRIO) Em uma espécie animal, cujo 2n = 6, o cariótipo de células somáticas de machos e fêmeas se apresenta como mostram os desenhos a seguir.
14
A análise desses cariótipos revela que, nessa espécie, a determinação do sexo é feita por um sistema, em que o macho e a fêmea são, respectivamente.
a) XY e XX.
b) YO e XX.
c) XO e XX.
d) XY e XO.
e) XO e XY.
15. (UEM) No heredograma abaixo, estão assinalados os membros de uma família afetados por uma doença hereditária. Com base nas informações obtidas no heredograma a seguir, assinale a(s) alternativa(s) correta(s).
15
I   II
0  0 – A doença em questão é determinada por alelo recessivo.
1  1 – O indivíduo 1 é heterozigoto, pois é normal, mas tem uma filha doente.
2  2 – A mulher 6 tem genótipo homozigoto recessivo, pois ela tem um filho com a doença.
3  3  – A probabilidade de o casal 5-6, em outra gestação, ter um descendente afetado pela doença é de 1/4 ou 25%.
4  4 – Se o homem 7 tiver um descendente com uma mulher heterozigota, a probabilidade de esse descendente nascer com a doença é de 75%.
16. (UFMG) Analise o heredograma abaixo.
16
Sobre as informações contidas nesse heredograma, todas as afirmativas estão corretas, exceto:
a) Homens e mulheres podem ser igualmente afetados pela anomalia.
b) O número de mulheres heterozigotas é o dobro do número de homozigotas.
c) Os casais II.3 x II.4 e III.6 x III.7, têm a mesma probabilidade de ter crianças afetadas.
d) Os homens normais representados são heterozigotos.
e) Os indivíduos afetados representados são homozigotos.
17. (FGV-SP) Sabe-se que o casamento consanguíneo, ou seja, entre indivíduos que são parentes próximos, resulta numa maior frequência de indivíduos com anomalias genéticas. Isso pode ser justificado pelo fato de os filhos apresentarem:
a) Maior probabilidade de heterozigoses recessivas.
b) Maior probabilidade de homozigoses recessivas.
c) Menor probabilidade de heterozigoses dominantes.
d) Menor probabilidade de homozigoses dominantes.
e) Menor probabilidade de homozigoses recessivas.
18. (FUVEST) Em plantas de ervilha ocorre, normalmente, autofecundação. Para estudar os mecanismos de herança, Mendel fez fecundações cruzadas, removendo as anteras da flor de uma planta homozigótica de alta estatura e colocando, sobre seu estigma, pólen recolhido da flor de uma planta homozigótica de baixa estatura. Com esse procedimento, o pesquisador:
a) Impediu o amadurecimento dos gametas femininos.
b) Trouxe gametas femininos com alelos para baixa estatura.
c) Trouxe gametas masculinos com alelos para baixa estatura.
d) Promoveu o encontro de gametas com os mesmos alelos para estatura.
e) Impediu o encontro de gametas com alelos diferentes para estatura.
19. (UFPB) Um indivíduo heterozigoto para dois pares de genes autossômicos, que apresentam segregação independente, casa-se com uma mulher homozigota recessiva para esses mesmos pares de genes. A probabilidade de nascer um filho genotipicamente igual ao pai, com relação ao par de genes considerados, é:
a) 1/2.
b) 1/4.
c) 1/8.
d) 1/12.
e) 1/16.
20. (UFLA) A ausência de chifres em bovinos é condicionada pelo alelo dominante M e a presença de chifres, pelo alelo recessivo m. No acasalamento entre animais mochos (sem chifres) e heterozigóticos, espera-se que a porcentagem de descendentes mochos seja de:
a) 12,5%.
b) 75%.
c) 25%.
d) 50%.
e) 0%.
21. No Brasil, uma lei determina que os recém-nascidos sejam submetidos ao “teste do pezinho”, por meio do qual se identifica a fenilcetonúria, doença hereditária que pode levar ao retardamento mental, com prejuízo da fala e dos movimentos. Se detectada a tempo, essa doença pode ser controlada, ministrando-se ao recém-nascido uma dieta especial. O heredograma seguinte ilustra uma situação em que há indivíduos fenilcetonúricos (negros). Considerando o esquema, julgue os itens abaixo.
21
I   II
0  0 – O caráter fenilcetonúrico apresenta um padrão de herança recessivo.
1  1 – A dieta especial a que devem ser submetidos os recém-nascidos fenilcetonúricos tende a alterar a frequência do gene da fenilcetonúria na população.
2 2 – As mulheres normais  representadas no heredograma  são necessariamente heterozigotas.
3 3 – A probabilidade  de que o  casal formado  pelos indivíduos 10 e 11 tenha dois descendentes normais é igual a 12,5%.
4  4 – O cruzamento entre os indivíduos 10 e 11 ilustra como a consanguinidade influencia o aparecimento de doenças hereditárias.
22. (UPE) Sabendo-se que entre M e R ocorre 24% de permuta, que tipos de gametas e respectivas proporções produz um indivíduo MR/mr?
a) MM = 26%; rr = 26%; Mr = 24%; mR = 24%.
b) MR = 26%; mr = 26%; Mr = 24%; mR = 24%.
c) MM = 44%; Mr = 6% mR = 6% mm = 44%.
d) MR = 38%; mm = 38%; mr = 12%; rr = 12%.
e) MR = 38%; mr = 38%; Mr = 12%; mR = 12%.
23. (UFMG) Observe o esquema abaixo de uma célula diploide de um organismo resultante da fecundação ocorrida entre dois gametas normais.
23
Os gametas que originaram esse organismo deveriam ter os genótipos indicados em:
a) AaB + Bee.
b) AAe + aBB.
c) Aae + BBe.
d) ABe + ABe.
e) ABe + aBe.
24. (PUC-SP)
24
A fotografia acima mostra o último czar da Rússia, Nicolau II, sua esposa Alexandra, suas quatro filhas (Olga, Tatiana, Maria Anastásia) e seu filho Alexis, que sofria de hemofilia. Um irmão da czarina Alexandra também era afetado por essa doença. A probabilidade de que Olga, filha do casal, fosse portadora do alelo para hemofilia é de:
a) 1/4.
b) 1/64.
c) 1/2.
d) 1/8.
e) 1/32.
25. (MACK) As flores da planta maravilha podem ser vermelhas, brancas ou rosas. As flores vermelhas e brancas são homozigotas, enquanto as rosas são heterozigotas. Para se obter 50% de flores brancas, é necessário cruzar:
a) Duas plantas de flores rosas.
b) Uma planta de flores brancas com outra de flores rosas.
c) Uma planta de flores rosas com outra de flores vermelhas.
d) Uma planta de flores vermelhas com outra de flores brancas.
e) Duas plantas de flores vermelhas.
26. (F.C.CHAGAS-BA) A polidactilia é condicionada por um gene dominante P. Se um indivíduo com polidactilia, filho de mãe normal, casa-se com uma mulher normal, qual a probabilidade que têm de que, em sucessivas gestações, venham a ter 6 filhos sem polidactilia?
a) 1/16.
b) 1/32.
c) 1/64.
d) 1/28.
e) 1/256.
27. (CESGRANRIO) A fenilcetonúria (PKU) é uma doença de origem genética bastante conhecida, causada por uma deficiência da enzima fenilalanina hidroxilase. Pacientes acometidos desse mal, além de não sintetizarem catecolaminas corretamente, não conseguem metabolizar a fenilalanina e, assim, apresentam uma série de complicações como retardo mental, epilepsia, hipopigmentação, entre outras. Considere o heredograma a seguir de uma família com membros acometidos (símbolos cheios) e normais (símbolos vazados).
27
Podemos dizer, quanto à presença de alelos mutantes de fenilalanina hidroxilase nos membros da família marcados com algarismos romanos, que:
a) VIII pode ter um alelo mutado.
b) VI possui dois alelos mutados.
c) V é necessariamente homozigoto.
d) III possui apenas um alelo mutado.
e) I é necessariamente homozigoto.
28. (MACK) No heredograma abaixo, se os indivíduos marcados são afetados por uma característica genética, as probabilidades dos casais 7×8 e 9×10 terem crianças normais são, respectivamente, de:
28
a) 100% e 50%.
b) 0 e 75%.
c) 50% e 50%.
d) 0 e 25%.
e) 100% e 75%.
29. (FUVEST) Em seu trabalho com ervilhas, publicado em 1866, Mendel representou os fatores hereditários determinantes dos estados amarelo e verde do caráter cor da semente pelas letras A e a, respectivamente. O conhecimento atual a respeito da natureza do material hereditário permite dizer que a letra A usada por Mendel simboliza:
a) Um segmento de DNA com informação para uma cadeia polipeptídica.
b) Um segmento de DNA com informação para um RNA ribossômico.
c) Um aminoácido em uma proteína.
d) Uma trinca de bases do RNA mensageiro.
e) Uma trinca de bases do RNA transportador.
30. A genealogia a seguir, mostra a incidência de uma anomalia genética em alguns indivíduos de uma família. Após a análise desse heredograma, podemos afirmar:
30
I   II
0   0 – Entre os indivíduos normais, oito são heterozigotos, com certeza.
1   1 – A anomalia é condicionada por um gene dominante.
2   2 – A anomalia ocorre apenas em homozigotos.
3   3 – Os indivíduos doentes, no heredograma, podem ser homozigotos ou heterozigotos.
4   4 – 20% dos indivíduos normais não possuem genótipos definidos.
31. (MACK) Um casal, em que ambos são polidáctilos, tem uma filha também polidáctila e um filho normal. A probabilidade de o casal vir a ter uma filha normal é de:
a) 1/4.
b) 1/6.
c) 1/8.
d) 1/12.
e) 2/3.
32. (UFTM) Responda esta questão com base na figura abaixo, que ilustra a constituição genética de dois organismos.
32
Supondo que não tenha ocorrido a permutação nesses indivíduos, e que o cruzamento tenha gerado 150 descendentes, o número esperado de organismos AaBb será
a) zero.
b) 37,5.
c) 75.
d) 112,5.
e) 150.
33. (FUVEST) Um gato preto (A) foi cruzado com duas gatas (B e C) também pretas. O cruzamento do gato A com a gata B produziu 8 filhotes, todos pretos; o cruzamento do gato A com a gata C produziu 6 filhotes pretos e 2 amarelos. A análise desses resultados permite concluir que:
a) A cor preta é dominante, A e C são homozigotos.
b) A cor preta é dominante, A e B são homozigotos.
c) A cor preta é dominante, A e C são heterozigotos.
d) A cor preta é recessiva, A e C são homozigotos.
e) A cor preta é recessiva, B e C são heterozigotos.
34. Em experimentos, na espécie humana, evolvendo três características independentes (triibridismo), se for realizado um cruzamento entre indivíduos AaBbCc, a frequência de descendentes AABbcc e machos, será igual a:
a) 3/64.
b) 1/16.
c) 1/4.
d) 1/64.
e) 1/32.
35. (UNIFAP) O albinismo no homem é controlado por um gene recessivo (a). Se ambos os cônjuges forem sabidamente portadores (Aa) do gene do albinismo e tiverem 4 filhos, é correto afirmar que:
I   II
0  0 – A probabilidade de nascerem todos os 4 normais é de 81/256.
1  1 – A probabilidade de nascerem 3 crianças normais e 1 albina é de 56/256.
2  2 – A probabilidade de nascerem 2 crianças normais e 2 albinas é de 54/256.
3  3 – A probabilidade de nascerem 1 criança normal e 3 albinas é de 12/256.
4  4 – A probabilidade de nascerem 2 crianças normais e 2 albinas é de 25/256.
36. (UFV) Se o número diploide das abelhas é 32, quantos cromossomos serão encontrados nas células somáticas do zangão? Quantos bivalentes existirão na gametogênese dos machos? e na gametogênese das fêmeas?
a) 168 – 16.
b) 8 016.
c) 8816.
d) 16 ­– 0 16.
37. (UNICENTRO) Um casal deseja ter 4 filhos, sendo o primeiro menino e os outros três, meninas. A probabilidade de que isso ocorra é de:
a) 3/4.
b) 3/8.
c) 3/16.
d) 1/8.
e) 1/16.
38. (COVEST) Renata (III.1), cuja avó materna e avô paterno eram albinos, preocupada com a possibilidade de transmitir o alelo para o albinismo a seus filhos, deseja saber qual a probabilidade de ela não ser portadora desse alelo. Assinale a alternativa que responde ao questionamento de Renata.
38
a) 0.
b) 1/4.
c) 3/4.
d) 1/3.
e) 1.
39. (PUC-RS) Responda esta questão com base no cariótipo humano representado abaixo.
39
O cariótipo é de um indivíduo do sexo ________ com síndrome de ________.
a) feminino – Klinefelter.
b) masculino – Klinefelter.
c) masculino – Down.
d) feminino – Turner.
e) masculino – Turner.
40. (UEPG) Com relação aos estudos de interação gênica e heranças ligadas ao sexo, assinale o que for correto.
I   I
0  0 – A hemofilia é uma doença genética humana. O gene para a hemofilia está localizado no cromossomo Y.
1  1 – No daltonismo, uma mulher heterozigota XDXd, casada com homem normal XDY, tem 25% de possibilidade de transmitir o alelo Xd.
2 2 – Nos organismos portadores de cromossomos sexuais ZZ/ZW, as fêmeas são consideradas hemizigóticas.
3  3 – A interação gênica ocorre sempre que dois ou mais genes interagem para determinar uma única característica. Exemplo: forma da crista da galinha.
4  4 – Entre as interações gênicas existem os casos de epistasia. Nesses casos, os alelos de um gene inibem a ação dos alelos do outro gene.
41. (Furg) Mendel, nas primeiras experiências sobre hereditariedade, trabalhou com apenas uma característica de cada vez. Posteriormente, ele acompanhou a transmissão de dois caracteres ao mesmo tempo, e os resultados levaram-no a concluir que: “fatores para dois ou mais caracteres são transmitidos para os gametas de modo totalmente independente”. Esta observação foi enunciada como “2a Lei de Mendel” ou “Lei da Segregação Independente”, que não é válida para os genes que estão em ligação gênica ou “linkage”, isto é, genes que estão localizados nos mesmos cromossomos. Observando as seguintes proporções de gametas produzidos pelo dihíbrido AaBb em três situações distintas,
I. AB (25%) – Ab (25%) – aB (25%) – ab (25%).
II. AB (50%) –  ab (50%).
III. AB (40%) – Ab (10%) – aB (10%) – ab (40%).
pode-se afirmar que:
a) I e II são situações nas quais os genes segregam-se independentemente.
b) II e III são situações nas quais ocorre segregação independente e ligação gênica sem “crossing-over”, respectivamente.
c) I e III são situações nas quais ocorre segregação independente e ligação gênica com “crossing-over”, respectivamente.
d) II é uma situação na qual ocorre ligação gênica com “crossing-over”.
e) III é uma situação na qual ocorre ligação gênica sem “crossing-over”.
42. (UNESP) Considere o heredograma abaixo, que representa uma família portadora de caráter recessivo condicionado por um gene situado em um dos cromossomos sexuais.
42
A respeito desta genealogia, podemos afirmar que:
a) A mulher 2 é homozigota.
b) As filhas do casal 3 e 4 são, certamente, portadoras do gene.
c) As mulheres 2 e 3 são, certamente, portadoras do gene.
d) Todas as filhas do casal 1 e 2 são portadoras do gene.
e) Os homens 1 e 4 são, certamente, portadores do gene.
43. Uma abelha rainha tem os seguintes pares de genes alelos que se segregam independentemente: AaBBccDdEE. Sabendo-se que os zangões surgem de óvulos que se desenvolvem por partenogênese, quantos genótipos diferentes, relativos a esses cinco pares de genes podem apresentar os zangões filhos dessa rainha?
a) Um.
b) Dois.
c) Quatro.
d) Oito.
e) Dezesseis.
44. (UNICENTRO) A fenilcetonúria, também conhecida como PKU, é um erro inato clássico do metabolismo causado pela deficiência de uma enzima no metabolismo do aminoácido fenilalanina. Tal doença, se não diagnosticada precocemente, pode desencadear sintomas como retardo mental, atraso no desenvolvimento psicomotor e hiperatividade. Um diagnóstico simples pode ser realizado através do teste do pezinho nos primeiros dias de vida e o tratamento é baseado em uma dieta pobre no aminoácido fenilalanina.
(A FENILCETONÚRIA…,2011).
O heredograma abaixo retrata a herança de fenilcetonúria em uma família. Os indivíduos que apresentam essa característica são representados pelas áreas em negrito.
44
Sobre o heredograma dessa família, identifique com V as alternativas verdadeiras e com F, as falsas.
(  ) A fenilcetonúria é uma característica autossômica determinada por um alelo recessivo.
(  ) O indivíduo II-4 apresenta o genótipo homozigoto dominante.
(  ) Se III-2 casar com um homem sem o fenótipo da doença, com certeza, todos os filhos não apresentarão a doença.
( ) A probabilidade de o casal II-2 e II-3 ter outro descendente com fenilcetonúria e do sexo masculino é de 25%.
(  ) Se III-1 casar com  seu primo III-3,  a probabilidade  de eles  terem um descendente do sexo feminino e com fenilcetonúria é de 50%.
A alternativa que apresenta a sequência correta, de cima para baixo, é a:
a) V F F F V.
b) F V F V F.
c) F F F V V.
d) V F V V F.
e) V F F V V.
45. (UFRS) Os seguintes conceitos genéticos foram escritos por um aluno que estava com dúvidas sobre a matéria e que pediu a um professor qualificado que os conferisse:
I. Os genes em um mesmo cromossomo tendem a serem herdados juntos e são denominados “genes ligados”
II. Quando uma característica particular de um organismo é governada por muitos pares de genes, que possuem efeitos similares e aditivos, nós dizemos que essa característica é uma característica poligênica.
III. Quando três ou mais alelos, para um dado “locus”, estão presentes na população, dizemos que este “locus” possui alelos múltiplos.
IV. Um organismo com dois alelos idênticos para um “locus” em particular é considerado homozigoto para este “locus”, enquanto um organismo com dois alelos diferentes para um mesmo “locus” é considerado heterozigoto para este “locus”.
V. A aparência de um indivíduo com respeito a uma dada característica herdada é chamada de fenótipo.
Quais afirmativas o professor diria que estão corretas?.
a) Apenas II, III e IV.
b) Apenas I, II, III e IV.
c) Apenas I, II, III e V.
d) Apenas II, III, IV e V.
e) I, II, III, IV e V.
46. (UFMS) Estudos genéticos recentes mostram que famílias tendem a “agrupar” incapacidades ou talentos relacionados a arte, como surdez para tons ou ouvido absoluto (reconhecem distintos tons musicais). No entanto, alguns indivíduos são surdos devido à herança autossômica recessiva. Observando o heredograma abaixo, que representa um caso de surdez recessiva, é correto afirmar:
46
a) Os pais são homozigotos recessivos.
b) Os indivíduos afetados II-1 e II-3 são heterozigotos.
c) Os pais são homozigotos dominantes.
d) O indivíduo II-2 pode ser um homem heterozigoto.
e) Os indivíduos I-2 e II-2 são homens obrigatoriamente heterozigotos.
47. (UFV) A determinação do sexo em gafanhotos é do tipo X0. Nas células somáticas de um gafanhoto, foram contados 23 cromossomos.
a) De que sexo é este indivíduo?
b) Quantos gametas diferentes este indivíduo produz?
c) Qual o número diploide do sexo oposto?
a) F - 222.
b) M122.
c) M224.
d) M1 - 24.
48. (UFRS) Indivíduos com os genótipos AaBb, AaBB, AaBbCc, AaBBcc, AaBbcc podem formar, respectivamente, quantos tipos de gametas diferentes?
a) 44888.
b) 42 - 844.
c) 24 -1688.
d) 4282 4.
e) 24 -1648.
49. (UESPI) Uma das condições para que uma população mendeliana mantenha as frequências de alelos constantes, ou seja, em equilíbrio gênico, com o passar das gerações, é:
a) A ocorrência de mutações.
b) A seleção natural.
c) A existência de poucos indivíduos.
d) A migração com fluxo gênico.
e) O acasalamento aleatório.
50. Se no homem um gene recessivo letal tem a frequência na população de 0,03, cerca de quantas mortes podem ser atribuídas aos efeitos desse gene em 10.000 nascimentos?
a) 3.
b) 9.
c) 30.
d) 300.
e) Menos de uma.
51. (PUC-CAMPINAS)  Atenção: Para responder esta questão considere o texto apresentado abaixo.
(…) pelo menos 1,1 milhão de brasileiros trabalham no período noturno em centros urbanos e estão sujeitos a problemas de memória, obesidade, falta de sono e enfraquecimento do sistema imunológico, entre outros males.
(…) os trabalhadores noturnos perdem aproximadamente cinco anos de vida a cada 15 trabalhados de madrugada. E têm 40% mais chances de desenvolverem transtornos neuropsicológicos, digestivos e cardiovasculares.
(…) nosso organismo precisa descansar durante as noites, quando libera hormônios como a melatonina, o cortisol e o GH (hormônio do crescimento). (…)
Uma das substâncias que dependem muito do escuro e da noite para serem liberadas é a melatonina. O hormônio ajuda a controlar o momento certo de cada função corporal.
(Revista Galileu, outubro de 2010, p. 22)
Além do hormônio do crescimento, outros fatores afetam o desenvolvimento do corpo humano, inclusive genéticos. A acondroplasia, que é uma disfunção genética que afeta 1 a cada 25 mil pessoas, demonstra isso. Esta síndrome é determinada por uma alteração no gene que codifica o receptor para o fator de crescimento de fibroblasto (FGFR3). Essa é uma condição autossômica e dominante, de forma que indivíduos heterozigotos a manifestam. Por outro lado, embriões homozigotos para essa condição não sobrevivem. A probabilidade de um casal, cuja mulher é acondroplásica e o homem normal, ter uma criança acondroplásica é de:
a) 100%.
b) 75%.
c) 50%.
d) 25%.
e) 12,5%.
52. (UEFS) Com base na aplicação de métodos matemáticos para cálculos de probabilidade de genótipos advindos de cruzamentos que envolvem vários loci, considere o cruzamento entre organismos de genótipos AaBbccDdEe x AaBbCcddEe. A probabilidade esperada de a prole desse cruzamento ter o genótipo aabbccddee é:
a) 1/1012.
b) 1/512.
c) 1/458.
d) 1/256.
e) 1/144.
53. (UFGD) Suponha que um homem heterozigoto para a anemia falciforme resolve se casar. A partir dessa afirmação, considere as seguintes questões:
I. Se a mulher tiver anemia falciforme, quais os prováveis fenótipos dos filhos?
II. Se a mulher for “portadora”, qual a probabilidade de nascer uma criança com anemia falciforme?
Assinale a alternativa que responde corretamente às perguntas.
a) I – todos normais; II – 25%.
b) I – todos normais; II – 50%.
c) I – todos com anemia falciforme; II – 50%.
d) I – normais ou com anemia falciforme; II – 25%.
e) I – normais ou com anemia falciforme; II – 50%.
54. (URCA) A observação de que as proporções mendelianas para a segunda lei não poderia ser empregadas para alguns genes que não sofriam segregação independente, foram descritas por Tomas Morgan em 1910, quando estudou a genética da “mosca da fruta”. Segundo Morgan, a justificativa para tal situação se deve a:
a) Mutação sofrida por esses genes constantemente durante a meiose.
b) Esses genes se encontrarem no mesmo cromossomo.
c) Gens alelos não se separam na meiose.
d) São genes produto de DNA recombinante.
e) A segunda lei de Mendel e aplicável apenas para vegetais e não para animais.
55. (FGV) No milho, a cor púrpura dos grãos (A) é dominante em relação à amarela (a) e grãos cheios (B) são dominantes em relação aos murchos (b). Essas duas características são controladas por genes que se distribuem independentemente. Após o cruzamento entre indivíduos heterozigotos para ambos os caracteres, a proporção esperada de descendentes com o fenótipo de grãos amarelos e cheios é:
a) 1/4.
b) 9/16.
c) 3/16.
d) 5/4.
e) 1/16.
56. (IFA) No intuito de melhoramento genético do seu rebanho, um criador de caprinos decide comprar um bode de pelo longo para aumentar a frequência desta característica na sua população. Abaixo, está representado o heredograma dos cruzamentos realizados pelo criador. De posse desses dados, podemos afirmar que:
56
a) Este gene provavelmente é recessivo.
b) Casamento entre os indivíduos II-1 com II-2 ou ainda II-2 com II-5 tem a mesma chance de ter indivíduos com genótipo heterozigoto.
c) Tanto os indivíduos I-2 como I-3 tem genótipo homozigoto.
d) Em um casamento consanguíneo entre os indivíduos II-2 com II-5, a probabilidade de gerar um indivíduo com a característica de pelo longo e de 50%.
e) Um casamento entre os indivíduos II-4 com II-5 não pode ser considerado consanguíneo, e a probabilidade de gerar um indivíduo com a característica de pelo longo e de 75%.
57. (UFT) Os heredogramas abaixo representam características autossômicas. Os círculos representam as mulheres e os quadrados os homens. Os símbolos cheios indicam que o indivíduo manifesta a característica.
57
Supondo que não haja mutação, analise os heredogramas e assinale a alternativa errada.
a) As informações disponíveis para a família 1 são insuficientes para a determinação da recessividade ou dominância da doença.
b) A família 2 apresenta uma doença dominante.
c) O genótipo dos pais da família 3 é heterozigoto.
d) Os descendentes da família 3 são todos homozigotos.
58. A anemia falciforme é causada pela presença de uma hemoglobina anormal. Essa doença é herdada com autossômica recessiva.
58
Considerando que no heredograma apresentado acima, os indivíduos I-2 e I-3 são heterozigotos e os indivíduos I-1 e I-4 são homozigotos normais, quem poderá ser afetado pela doença?
a) Apenas III-1 e III-2.
b) Apenas II-1 e II-3.
c) Apenas II-2 e II-4.
d) II-1, II-2, II-3 e II-4.
e) II-1, II-3, III-1 e III-2.
59. (UNICENTRO) A figura abaixo ilustra um experimento de Mendel em que considera a geração F1, obtida a partir do intercruzamento de duas linhagens puras, sementes lisas e sementes rugosas, e a geração F2, obtida por autofecundação dos indivíduos da geração F1.
59
A partir de sua análise, pode-se concluir:
a) A autofecundação propicia maior variabilidade genética entre os descendentes.
b) O genótipo dos indivíduos da geração F1 é homozigoto para a característica forma da semente.
c) Na geração F2, aparecem quatro genótipos que determinam quatro diferentes fenótipos.
d) Os frutos produzidos pela geração F2 devem expressar apenas características dominantes.
e) A proporção 3:1 decorre de separação do par de alelos determinantes da forma da semente no processo de formação dos gametas.
60. (PUC-PR) Observe a genealogia abaixo:
60
Sabendo-se que a polidactilia é uma anomalia dominante e que o homem 4 casou-se com uma mulher polidáctila filha de mãe normal, a probabilidade desse último casal ter um filho homem e polidáctilo é:
a) 1/16.
b) 1/2.
c) 1/32.
d) 1/4.
e) 1/8.

GABARITO

01
02
03
04
05
06
07
08
09
10
B
B
E
C
E
C
D
D
B
A
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
FVVFF
E
C
C
VVFVF
D
B
C
B
B
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
VVVFV
E
E
C
B
C
A
B
A
VFVFV
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
C
A
C
D
VFVVF
D
E
D
B
FFVVV
41
42
43
44
45
46
47
48
49
50
C
C
C
A
E
D
C
D
E
B
51
52
53
54
55
56
57
58
59
60
C
D
D
B
C
B
D
A
E
D
About these ads

A química da paixão

por Texto Aline Rochedo

Quem não conhece aquele símbolo da paixão que traz a flecha do cupido atravessando o coração? É uma figura de linguagem popular e antiga, com raízes na mitologia greco-romana. Na imagem, o alvo do deus alado é o coração, provavelmente por causa da aceleração cardíaca e do fogo no peito que sentimos quando cruzamos com quem julgamos ser a nossa tão almejada cara-metade. O flechaço, no entanto, atinge é a cabeça. Sim, suspiros, suores, olhares perdidos e todas as sensações comuns àqueles que estão encantados com alguém nascem no cérebro e são resultado de uma combinação de componentes que se somam a fatores culturais e genéticos capazes de levar suas vítimas às nuvens.
Havendo interesse por outra pessoa, a química rola com substâncias que provocam sintomas intensos e avassaladores em todo o corpo. Os mais evidentes são o aumento da pressão arterial, da freqüência respiratória e dos batimentos cardíacos, a dilatação das pupilas, os tremores e o rubor, além de falta de apetite, concentração, memória e sono. Tudo provocado por alterações em regiões específicas já identificadas pela ciência com a ajuda de ressonância magnética funcional e outras tecnologias.
Uma das responsáveis pelas descargas de emoções para o coração e as artérias é a dopamina, um neurotransmissor da alegria e da felicidade liberado no organismo para potencializar a sensação de que o amor é lindo. Ficamos agitados, corajosos e dispostos a realizar novas tarefas, apesar de dormirmos e comermos mal. “O mecanismo cerebral é idêntico ao de se viciar em cocaína”, diz o neurocientista Renato Sabbatini, professor da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Campinas. O barato é tão forte que o apaixonado pede a Deus – ou aos astros ou a quem quer que seja – que dure para sempre. No livro Por que nos Apaixonamos (Ediouro, 2005), a neurocientista francesa Lucy Vincent afirma que a dependência que o enamorado tem de seu eleito leva a uma espécie de síndrome de abstinência quando eles se distanciam.
Em pesquisas recentes, estruturas do cérebro chamadas núcleo caudado, área tegmentar ventral e córtex prefrontal se mostraram mais ativadas em pessoas apaixonadas. São zonas ricas justamente em dopamina e endorfina, um neurotransmissor com efeito semelhante ao da morfina. Juntos, esses agentes estimulam os circuitos de recompensa, os mesmos que nos proporcionam prazer em comer quando sentimos fome e em beber quando temos sede. Estar em contato com a alma gêmea, mesmo que por telefone ou e-mail, resultará na liberação de mais endorfina e dopamina, ou seja, de mais e mais prazer.
A feniletilamina, parecida com a anfetamina, é outra molécula natural associada a essa avalanche de transformações, assim como a noradrenalina, que contribui com a memória para novos estímulos. Por isso os apaixonados costumam se lembrar da roupa, da voz e de atos triviais de seus amados. Hormônios como a oxitocina e vasopressina, responsáveis pela formação dos laços afetivos mais duradouros e intensos, como o da mãe com o filho, também tendem a aumentar nas fases mais agudas, preparando o terreno para um relacionamento estável.
Novos elementos
Apesar de a ciência já ter mapeado os principais elementos envolvidos no mecanismo da paixão, novos agentes continuam surpreendendo. Em novembro de 2005, a publicação científica americana Psychoneuroendocrinology divulgou um trabalho da Universidade de Pavia, Itália, mostrando que euforia, dependência e outros sintomas estão ligados a proteínas do cérebro. Nos primeiros meses da relação, o componente identificado como NGF – o mesmo que provoca suor nas mãos, entre outras alterações – aparece no sangue em níveis elevados. Os cientistas da equipe analisaram o comportamento da substância em 58 homens e mulheres entre 18 e 31 anos no auge do envolvimento e compararam com um estudo feito com solteiros e indivíduos com relacionamentos de longo prazo, já observando mudanças. Entre 12 e 24 meses depois, avaliaram 39 pessoas que ainda estavam com o mesmo parceiro e viram que os níveis da proteína tinham se normalizado.
Enquanto a maioria das substâncias químicas apresenta níveis mais elevados no auge da paixão, a serotonina, que tem efeito calmante e nos ajuda a lutar contra o estresse, diminui em cerca de 40%. O índice foi observado no estudo da italiana Donatella Marazziti, da Universidade de Pisa. Chamou atenção da pesquisadora o fato de o percentual ser próximo ao da falta desse mesmo neurotransmissor naqueles que sofrem de transtorno obsessivo compulsivo. Para Donatella, isso explicaria o pensamento incontrolável, algumas atitudes insanas, quase psicóticas, e a fixação numa única pessoa na fase aguda. A diferença é que, quando se trata de paixão, essa loucura se resolve em poucas semanas, no máximo alguns meses, com as taxas voltando ao normal, o organismo se acalmando e o amor – estágio seguinte e sem efeitos colaterais severos, inclusive por atuar numa zona diferente do cérebro – tomando conta da pessoa. Outra razão para a queda da serotonina é a produção de mais hormônios sexuais, que facilitam a aproximação e a formação de pares estáveis, uma missão gravada em nossos genes.
O prazo de validade do efeito paixão varia de pesquisa para pesquisa. Sabbatini observa que o fundamental é a paixão passar naturalmente, o que acontece em alguns meses, com o cérebro descarregando menos dopamina e reduzindo as endorfinas. “No auge, as alterações químicas são tão intensas e tão estressantes que, se durarem tempo demais, o organismo entra em colapso”, diz.
Diferenças de gênero
Agora responda rápido: quem é mais fraco para a paixão? A mulher ou o homem? Se você pensa que elas é que se apaixonam mais à primeira vista, não entende nada de mulheres. São os machões que tendem a se deixar levar primeiro pela química. Por outro lado, o encantamento deles costuma ser mais fulminante, podendo durar algumas horas apenas. “Mulheres são mais cautelosas, dependem de romantismo, e a sua paixão é mais baseada no psicológico. Só que, quando se instala nelas, normalmente demora mais tempo para passar”, afirma Sabbatini. As diferenças não param por aí. Fisiologicamente, a testosterona faz os dois sexos entrarem numa espécie de meio-termo na fase inicial do flerte. “Apesar de ser o hormônio sexual típico do homem, ele está presente nos dois organismos, porém em menor quantidade no feminino. Quando ocorre a paixão, a substância aumenta e a mulher sente mais libido sexual. Nos homens, a testosterona cai, deixando-o menos agressivo”, explica.
E o que será que a nossa suposta alma gêmea tem que as outras pessoas ao nosso redor não têm? Uma das teorias mais alardeadas é a de que sempre buscamos feromônios compatíveis. Sinais bioquímicos de disponibilidade sexual, os feromônios são substâncias naturais e inodoras exaladas continuamente pelos animais através de poros, saliva, urina e outros canais. Em borboletas, lobos e macacos, por exemplo, a eficácia desses sinalizadores sexuais é evidente, já que a atração dos parceiros entra pelo nariz. Na espécie humana, há inúmeras teorias que afirmam que os feromônios são essenciais para provocar as primeiras trocas de olhares. Ainda assim, há quem dê mais crédito para a atração física e às boas lembranças de momentos vividos juntos. “Aparentemente, o homem é mais visual”, diz o psiquiatra Teng Chei Tung, do Hospital das Clínicas de São Paulo, especializado em ansiedade e depressão. Ele chama atenção para o fato de os principais testes com humanos usarem a fotografia do ser amado para monitorar as ativações cerebrais. “Provavelmente, num primeiro momento, o indivíduo se decide pela imagem do alvo, buscando atributos físicos que denotem um bom reprodutor – ou reprodutora –, de acordo com os seus padrões. Só que para se chegar à paixão é preciso algo mais, como uma experiência de convívio, de mais motivações que ativem as áreas de gratificação”, diz o psiquiatra.
Paixão ou amor?
Resistir à paixão não é tarefa fácil, pois ela não avisa quando vai se instalar. Pode desembarcar no cérebro a qualquer momento a partir da adolescência. Como também é algo regulado por hormônios sexuais e as mulheres entram na menopausa por volta dos 50 anos, os homens mantêm a capacidade de se apaixonar por mais tempo. Apesar de atuarem em zonas distintas do cérebro, a fronteira entre paixão e amor não está bem definida. Para estudar as diferenças dessas fases – e da atração sexual, que é uma terceira emoção e que também ocorre em outra área cerebral –, a antropóloga americana Helen Fisher, da Universidade de Rutgers, de Nova Jersey, montou um quadro com ajuda de neurobiólogos. A primeira etapa para a formação de um casal é a busca pela gratificação sexual urgente. É a ordem para ir à caça, com ação intensa de testosterona. A paixão é a atração por uma pessoa em particular, a tal explosão química, irrigada por dopamina, endorfinas e outros componentes. Se correspondida, deve durar o tempo necessário para se conhecer e se decidir se dá para seguir em frente. Quando o fogo baixa, o relacionamento pode continuar, mas o que conta é companheirismo, apego e vontade de dividir o ninho, procriar e cuidar da prole.
A fogueira da euforia, entretanto, pode ficar sem lenha e nem evoluir para a terceira etapa. “Há gente viciada no mecanismo da paixão, que busca um novo objeto de desejo toda vez que os sintomas passam”, diz Sabbatini. “Nas pessoas, quando isso é muito freqüente, pode haver alguma alteração de personalidade, como bipolaridade”, complementa Teng. E tem a turma que nem chega a se apaixonar. “Alguns conseguem bloquear o processo ativando áreas mais racionais do cérebro”, afirma o psiquiatra. “Normalmente, acontece com quem é inseguro ou ansioso. É quando o medo vence nas decisões. Para não correr riscos, racionaliza a situação e bloqueia.”
Ninguém nega que sentir as borboletas no estômago no início da paixão é uma coisa gostosa. O problema é quando a química toda demora a passar e seus efeitos prejudicam o cotidiano e estressam demais o organismo. Pior ainda é se o eleito não corresponde ao apaixonado, que se deprime e se angustia. O que fazer, nesse caso? Existem drogas, normalmente usadas em tratamentos cardíacos, que podem inibir ou pelo menos reduzir sofrimentos provocados pela paixão. Os efeitos desses medicamentos, porém, são passageiros.

 http://super.abril.com.br/cotidiano/quimica-paixao-446309.shtml

Follow by Email

Total de visualizações de página

 
Desenvolvido por Othon Fagundes