Katia Queiroz. Tecnologia do Blogger.

7 de fev de 2016

Zika pode ser transmitido pelo sexo? Os três casos que intrigam cientistas

 

  •    
Image copyright Thinkstock
Image caption OMS admite que ainda pouco se sabe sobre outras formas de transmissão do vírus da zika
O risco de transmissão sexual do vírus da zika ainda não foi comprovado cientificamente, mas três casos de possível contágio intrigam cientistas e já levaram médicos a recomendar que grávidas usem proteção durante relações sexuais.
O mais recente ocorreu no estado do Texas. Em entrevista à BBC, a vice-diretora do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), Anne Schuchat, disse que “o laboratório confirmou o primeiro caso de zika vírus em um não-viajante. Nós não acreditamos que o contágio tenha ocorrido por meio de picadas de mosquito, mas sim por contato sexual”.
Questionada sobre a confirmação, Schuchat explicou que, até o momento, não há outras formas plausíveis que possam dar conta da transmissão, já que uma pessoa esteve na Venezuela, voltou aos EUA, apresentou sintomas de zika, e teve contato sexual com o parceiro.
O caso no Texas soma-se a outros dois que, embora não comprovados, são amplamente citados na literatura científica. Em um deles, o vírus foi detectado no sêmen de um paciente e, no outro, um cientista que havia estado em uma área de contaminação por zika voltou aos EUA onde teria contaminado a esposa.
 
(Foto: Thinkstock)Image copyright Thinkstock
Image caption Casos de zika em locais onde não há mosquitos Aedes aegypti intrigam cientistas
Em 2013, durante um surto de zika na Polinésia Francesa, o vírus foi detectado no sêmen de um homem de 44 anos. Ele havia apresentado sintomas típicos da infecção por zika: febre, dores de cabeça e nas articulações. Após alguns dias, o paciente notou vestígios de sangue no sêmen e procurou atendimento médico. Exames detectaram o vírus no material coletado.
Neste caso, não houve a comprovação de infecção de uma segunda pessoa pela via sexual, mas, sim, da contaminação do sêmen pelo chamado vírus replicante, ou seja, capaz de gerar a propagação da doença. "Nossas descobertas apoiam a hipótese de que o Zika pode ser transmitido por via sexual", conclui artigo de fevereiro de 2015, disponível no site do Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês).
No segundo caso de possível contaminação sexual, o sêmen do paciente com zika não foi examinado. No entanto, a esposa deste paciente teve a zika diagnosticada e a única explicação plausível seria o contágio sexual.
Foi o caso do cientista americano Brian Foy, em 2008. Ele havia visitado uma região do Senegal afetada por zika e, ao retornar para casa, no Colorado, Estados Unidos, teria infectado sua esposa durante uma relação sexual um dia após seu retorno.
"Vivemos no Colorado, um Estado americano onde não há mosquitos na época do ano em que minha mulher contraiu o vírus. E onde não há ocorrência do Aedes aegypti (o mosquito transmissor do vírus). O mais provável é que minha mulher tenha sido infectada quanto tivemos relações, antes de eu me sentir doente, mas a ciência ainda não está nem perto de provar a possibilidade desse tipo de contágio", conta Foy, em entrevista por telefone à BBC Brasil.
 
(Foto: Brian Foy)Image copyright Brian Foy
Image caption O cientista Brian Foy contraiu zika durante visita a Senegal, em 2008
O professor-assistente da Universidade Estadual do Colorado é um dos autores de um estudo que sugere a possibilidade de transmissão do zika por contato sexual. Inicialmente, Foy foi diagnosticado com dengue e médicos não conseguiram descobrir o que tinha se passado com sua esposa. Passou-se um ano até que eles descobrissem que se tratava de zika.
O americano acredita que a repercussão causada pela epidemia no Brasil incentive o financiamento de pesquisas buscando investigar o assunto. Foy afirma não haver dúvidas de que a picada do Aedes aegypti é a forma principal pela qual se pode contrair o vírus, mas defende a importância de que ao menos se descubra mais sobre a via sexual.
"Para atingir uma área de contágio tão extensa de forma tão rápida, o mosquito é a grande explicação. Pode ser até que o contágio sexual represente uma ocorrência rara e, diante dos problemas enfrentados pelas autoridades de saúde dos países afetados, como o Brasil, não esteja no alto da lista de prioridades. Como cientista, porém, sempre acredito na importância de se investigar outras possibilidades", completa.
Em uma entrevista a uma rede de TV americana, Foy relatou ter sido constantemente picado por mosquitos enquanto fazia seu trabalho de campo no vilarejo senegalês de Bandafassi. Voltou para os EUA no final de agosto de 2008 e, dias depois, começou a se sentir mal, com sintomas que variavam de fadiga a dores no momento de urinar, além de inflamações na pele – a esposa teria notado o que parecia ser sangue no sêmen do marido.
Foy pediu ajuda a colegas do CDC, a principal agência voltada para a proteção da saúde pública dos EUA, para identificar a patologia com que tinha sido infectado. O diagnóstico de dengue não o deixou convencido, e muito menos a indefinição sobre o que teria acontecido com a mulher.
 
(Foto: Thinkstock)Image copyright thinkstock
Image caption Recomendação é que grávidas usem preservativo nas relações sexuais
Um ano depois, um dos auxiliares do cientista na viagem à África, Kevin Kobylinski, que também ficou doente, estava conversando em um jantar com o entomologista Andrew Haddon, da Universidade do Texas, quando tocou no assunto.
Haddow, por uma grande ironia do destino, é neto de Alexander Haddow, um dos três cientistas que isolaram o zika pela primeira vez, em 1947, quando o extraíram de um macaco na Floresta de Zika, em Uganda. Quando soube que amostras de sangue de Kobylinski e dos Foy ainda estavam preservadas em um laboratório, o entomologista sugeriu que elas fossem enviadas para o virologista Robert Tesh. As três amostras testaram positivo para zika.
Em seu estudo, Foy apresenta outros argumentos para defender a hipótese de contato sexual. Joy, sua mulher, jamais visitou a África ou a Ásia e, na época da publicação do documento, já fazia quatro anos que não deixava os EUA. Antes da epidemia no Brasil e que começa a chegar a outros países da América do Sul, o zika jamais tinha sido reportado no hemisfério Ocidental.
Outros estudos envolvendo doenças transmissíveis por mosquitos há haviam sugerido a possibilidade de contágio sexual. Haddow, por exemplo, aponta para o fato de que a epidemia de zika na Micronésia (Oceania), em 2007, deu margem para especulações sobre este tipo de contágio.
Isso porque a proporção de mulheres infectadas foi 50% maior que a de homens – na maioria das doenças sexualmente transmissíveis, o sexo vaginal oferece riscos de contágio muito maior para as mulheres.
"É a explicação mais lógica. Outra possibilidade é que tivesse sido passado pela saliva ou outros fluidos corporais, mas temos quatro filhos, e eles não ficaram doentes.
 

6 de fev de 2016

slides sobre Ecologia - CEI MIRASSOL

http://pt.slideshare.net/profkatiaqueiroz/desequilibrios-ambientais-minicurso



Amados alunos do CEI MIRASSOL, aqui estão os slides da aula dessa semana. Forte abraço, bons estudos

Katia Queiroz

Parabéns amados alunos!!












De zika a rubéola: as doenças que podem causar más-formações em fetos

 

  •  
Image copyright Getty
Image caption Microcefalia pode ser provocada por outras doenças infecciosas
Não é só o vírus zika que pode trazer complicações para o bebê se a mãe for infectada durante a gravidez. Outras doenças podem provocar problemas na formação do feto, sobretudo se adquiridas pela mulher nos três primeiros meses de gestação.
Rubéola, toxoplasmose, sífilis e infecções causadas pelo citomegalovírus são as principais causas conhecidas de más-formações fetais – entre elas a microcefalia, quando o bebê nasce com o diâmetro da cabeça igual ou inferior a 32 centímetros.
A rigor, no entanto, muitas infecções consideradas banais, como a gripe, podem, ainda que raramente, acarretar problemas para o embrião. Sem falar em outras condições, como o uso de drogas e o consumo excessivo de álcool, ou mesmo a exposição à radiação. E há também as causas genéticas: alterações no cromossomo que podem provocar danos cerebrais.
"A microcefalia pode ocorrer sempre que houver uma lesão cerebral significativa na fase de crescimento acelerado do cérebro, não é um problema específico de uma doença ou condição", explica o chefe da neuropediatria da Unifesp, Luiz Celso Vilanova. "Essa fase de crescimento é crucial nos primeiros três meses de gestação, mas se estende ainda por meses após o parto."
Até a constatação da relação entre o zika e o nascimento de bebês com microcefalia, o grande temor das grávidas sempre foi a rubéola. A infecção durante a gravidez pode causar diferentes tipos de má-formação fetal. Problemas de audição, de visão, doenças ósseas, alterações cardíacas e microcefalia são algumas das complicações decorrentes da infecção na gestante.
ThinkstockImage copyright Thinkstock
Image caption Vacina fez diminuir ocorrência de rubéola e, consequentemente, casos de microcefalia associados a ela
Mas a vacina existe e já está, inclusive, disponível no calendário regular de vacinação, o que vem fazendo diminuir muito a ocorrência da doença. O problema tende a se tornar cada vez mais raro, como aconteceu com o sarampo.
"Houve uma época em que havia enfermarias só para casos de sarampo", lembra o pediatra e infectologista Paulo Cesar Guimarães, diretor da Faculdade de Medicina de Petrópolis. "Hoje, isso não existe mais."
O sarampo também era uma das doenças que causava problemas aos fetos, mas, agora, com a vacinação em massa da população, deixou de ser uma ameaça. Eventualmente, com a interrupção da vacinação por algum motivo, o risco pode retornar – daí a importância de se seguir à risca o calendário de vacinas, alertam os especialistas.
Uma infecção para a qual não há vacina e com a qual as grávidas devem tomar cuidados é a toxoplasmose. A doença é causada por um protozoário que pode estar presente nas fezes de felinos e também em carnes malpassadas. Em geral se trata de uma febre branda.
ThinkstockImage copyright Thinkstock
Image caption Fezes de felinos podem transmitir toxoplasmose
"Normalmente é uma doença simples, que passa despercebida", explica o obstetra e ginecologista Alex Sandro Rolland de Souza, especialista em medicina fetal do Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip), um dos centros de referência para microcefalia de Recife. "Na gravidez, no entanto, pode causar más-formações cerebrais no feto, entre elas a microcefalia."
Existe tratamento para a toxoplasmose e, se a doença for diagnosticada rapidamente, o risco de acarretar problemas para o feto diminui muito.
Outras infecções que podem causar problemas são aquelas causadas por citomegalovírus. Embora a infecção em si não seja grave, em geral apenas uma febre branda, as consequências para o feto podem ser sérias, sobretudo porque não há tratamento para a doença. No feto em formação essas infecções podem causar alterações no sangue, problemas de audição, microcefalia.
A sífilis é um outro problema para o qual as grávidas devem estar alertas. A doença, causada por uma bactéria, é sexualmente transmissível. Antigamente, quando não havia penicilina, representava um grande problema de saúde. Hoje, continua sendo considerada uma doença grave, porém tratável. No entanto, se acometer grávidas, pode trazer complicações de formação fetal, sobretudo anomalias ósseas.
thinkstockImage copyright thinkstock
Image caption Segundo especialistas, período crítico da gestação é o primeiro trimestre
De acordo com os médicos, cada uma dessas doenças ou condições que podem acometer as grávidas promovem alterações de formação relativamente similares.
Mas há particularidades dependendo de cada caso. Por exemplo, a rubéola é a única a provocar complicações cardíacas, enquanto que no caso da toxoplasmose, as complicações costumam ser mais oculares. A má-formação do crânio pode ocorrer em decorrência de todas elas, também com algumas peculiaridades.
"As infecções pelo citomegalovírus costumam provocar os danos mais extensos, mas isso pode variar muito", afirma Vilanova. "E sempre há casos de apresentações não usuais."
Para o chefe da neuropediatria da Unifesp, ainda é cedo para falar de características específicas dos casos de microcefalia relacionados ao vírus zika.
"Temos ainda poucos casos comprovados cientificamente da relação entre o zika e a microcefalia para tirarmos um padrão conclusivo", diz ele. "Por enquanto, há muitos casos inferidos (em que a mãe relata ter tido um problema cujos sintomas são similares aos do zika, mas sem comprovação por teste). Estamos na fase inicial do problema e querer tirar conclusões definitivas é muito precoce."
Um fator que conta muito para a extensão da lesão, no entanto, é o momento em que a gestante contrai a doença. Os especialistas concordam que o período mais crítico da gestação é o primeiro trimestre. Os primeiros três meses da gravidez equivalem ao período em que os principais órgãos e sistemas do embrião estão se formando e qualquer agente externo pode ter um impacto grave neste processo.               
"De maneira geral, podemos dizer que quanto mais precoce (na gravidez) for a ocorrência da doença, mais graves são as repercussões que podem ser causadas no feto", explicou Rolland de Souza.
Em estágios mais avançados da gravidez – e, sobretudo, no final –, a repercussão tende a ser muito branda ou mesmo nula.
A prevenção desses problemas, obviamente, varia. A mulher deve sempre estar vacinada para as doenças cujos imunizantes estão disponíveis. Deve se prevenir de picadas de mosquitos, usando repelente ou andando mais coberta. Deve evitar a ingestão de carne malpassada e o contato com fezes de gato, no caso da toxoplasmose. E deve evitar locais fechados com muita aglomeração de pessoas – ambiente propício para o citomegalovírus e outros vírus mais comuns.
"Mas, claro, sempre existe um risco", diz Luiz Celso Vilanova.
Rolland de Souza lembra ainda que embora a dengue e a chikungunya sejam também febres causadas por um arbovírus, como a zika, nunca se estabeleceu nenhuma relação entre a infecção por essas doenças e o nascimento de bebês com problemas de formação.
"E a dengue, como é uma doença mais grave, que pode levar à morte, é muito mais estudada, há muito mais tempo, e em várias partes do mundo", acrescenta Paulo Cesar Guimarães. "E nunca nada neste sentido foi constatado."
Rolland de Souza lembra, no entanto, que entre as gestantes que contraíram dengue ou chikungunya se nota uma taxa maior de partos prematuros. E, portanto, as gestantes devem estar atentas ao problema.

Transmissão de zika por beijo não está comprovada, diz infectologista

 

  •    
Image copyright Reuters
As recentes descobertas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), sobre a presença do zika vírus em estado ativo em saliva e urina, deixa ainda grandes dúvidas, mas atestam a importância da prevenção, diz o infectologista Edmilson Migowski, da UFRJ.
Na sexta-feira, a Fiocruz levantou, com sua descoberta, a possibilidade de transmissão via oral do vírus, mas ressaltou que ainda são necessárias mais pesquisas para saber se há de fato possibilidade de infecção.
A BBC Brasil conversou com Migowski a respeito dessas novas descobertas e do que elas significam na prática:
BBC Brasil - O que significa exatamente “atestar a presença de vírus zika na saliva e na urina”, que é o que comunicou a Fiocruz?
Edmilson Migowski - A Fiocruz nos deu uma certeza e uma dúvida enorme. A certeza é que o vírus está presente na saliva e na urina. Mas daí a afirmar que este vírus pode transmitir a doença é complicado. E essa é a enorme dúvida que fica.
BBC Brasil - Por quê?
Migowski - Porque a transmissão de um vírus não é uma coisa matemática, depende de vários fatores. Por exemplo, o tubo digestivo tem um Ph muito diferente, muito mais ácido, e é repleto de enzimas que podem destruir o vírus.
  •  
Image copyright AFP
O vírus só infecta se entrar na célula. E ele não entra em qualquer célula, só naquelas que têm receptores para ele. O vírus da caxumba, por exemplo, infecta as glândulas. O da hepatite B, o fígado. O fato de ter um vírus na saliva não quer dizer, necessariamente, que ele vai aderir a uma célula da mucosa da boca, como acontece com o vírus do herpes.
BBC Brasil - Mas diante da dúvida, é importante se prevenir, não?
Migowski - Sim, diante da dúvida e tendo em vista que é uma doença grave para gestantes, eu diria que as grávidas devem ter um cuidado redobrado para não se expor ao vírus, não manipular objetos de pessoas infectadas, por exemplo, não beijá-las na boca. Neste momento é o mais prudente.
BBC Brasil - A dengue tipo 4 levou cinco anos para sair de Manaus e chegar ao Rio. Já o vírus zika se espalhou rapidamente pelo país todo e também para outros países. Isso é um indicativo de que ele é transmitido de outras maneiras e não só por meio do Aedes?
Migowski - Não necessariamente. O zika se disseminou mais rapidamente do que a dengue porque pegou uma população 100% vulnerável a ele, que nunca tinha tido contato com esse vírus. A situação é diferente, não dá para comparar com a dengue. Qualquer vírus novo que entra causa um estrago muito maior.
BBC Brasil - Se ficar comprovado que a transmissão é possível pela saliva e pela urina, o que pode acontecer do ponto de vista epidemiológico?
Migowski - O zika é transmitido pelo mosquito e também por via sexual (segundo os estudos científicos mais recentes). Se ficar comprovado que pode ser transmitido também pela saliva e pela urina, ele tem um potencial muito maior de disseminação e o controle também fica mais difícil. Qualquer doença infecciosa com várias formas de transmissão tem potencial de disseminação muito maior.
BBC Brasil - Entre a saliva e a urina, qual o maior risco?
Migowski - O risco é muito maior pelo beijo, bem menos que pela urina (não é comum termos contato com a urina dos outros). Se for comprovado que é transmitido pela saliva será mais um infectante por via oral. Então teremos mais uma doença transmitida pelo beijo, como a mononucleose, a herpes
Image copyright EPA
BBC Brasil - Já se pode considerar comprovada também a ligação do zika com o aumento de casos da síndrome de Guillain-Barré (uma doença rara que provoca fraqueza muscular e que, se não for tratada precocemente, pode levar à paralisia)?
Migowski - Houve aumento de casos no local onde o vírus circulou. Um estudo feito no Sudeste Asiático cita a ocorrência em 1% dos infectados, o que é um percentual alto. Se isso ficar comprovado no Brasil, serão muitos casos e vamos ter um caos nos centros de terapia intensiva.
BBC Brasil - As consequências para a saúde do indivíduo são graves?
Migowski - O quadro é reversível diante de uma abordagem precoce e não deixa sequelas. E ele é causado não só pelo vírus zika, mas também por outros, como dengue, mononucleose.
Mas, de qualquer forma, era uma doença que, inicialmente, parecia boba, inofensiva, e que está se revelando muito pior...
Costumo brincar dizendo que se eu fosse julgar e condenar todos os vírus transmitidos pelo aedes nove meses atrás, o zika pegaria a menor pena. E hoje, num novo julgamento, ele desbancaria os demais e ficaria com a maior pena.
Porque a dengue pode matar o paciente, sim, mas se o médico for habilidoso, ele não morre. E hoje eu não disponho de nenhuma ferramenta para impedir que uma mulher tenha um bebê com microcefalia, tenho que deixar ao acaso.
BBC Brasil - E o remédio que está sendo desenvolvido na UFRJ?
Migowski - Eu e o Davis Ferreira, do Instituto de Microbiologia, estamos em fase avançada de teste com um produto derivado de uma planta que pode ser uma boa ferramenta a curto prazo para reduzir a carga viral e até como prevenção.
É um extrato de planta, um suplemento alimentar, não um remédio. Não é tóxico e se revelou 100% eficaz contra dengue, febre amarela e Mayara (um primo-irmão do chikungunya). Agora vamos testar contra o chikungunya e contra o zika. Eu estou muito otimista.

As perguntas ainda sem resposta sobre o surto de zika e microcefalia

As perguntas ainda sem resposta sobre o surto de zika e microcefalia

  •     SPL
Esta imagem sem muita definição é uma das poucas fotos do zika vírus.
O surto levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar emergência internacional devido à ligação entre a infecção e milhares de casos suspeitos de bebês nascidos com microcefalia no Brasil.
Mas ainda existem muitas perguntas sem respostas. Por exemplo, quantas pessoas foram realmente infectadas nas Américas?
A melhor estimativa da infecção pelo zika vírus está entre 500 mil e 1,5 milhão, o que mostra uma grande margem de erro. Qual a porcentagem de pessoas em uma área afetada que realmente estão sendo infectadas pelo vírus? Todas elas? Ainda não sabemos.
Abaixo algumas das perguntas sem respostas sobre a doença.

Por que o surto é tão explosivo?

Uma teoria é que o vírus passou por uma mutação e ficou mais infeccioso.
Outros especialistas afirmam que pode ser simplesmente o caso do vírus chegando a áreas que são muito povoadas e próximas umas das outras e onde há uma população enorme de mosquitos.

Quem pode transmitir a doença?

ReutersImage copyright Reuters
Cerca de 80% das pessoas não apresentam sintomas - apesar de este número precisar ser mais investigado.
Não se sabe se estas pessoas também podem espalhar o vírus e nem mesmo a razão de elas não apresentarem os sintomas da doença.

O zika vírus causa microcefalia?

É o maior medo em relação ao surto. A ligação entre o zika vírus e a má-formação ainda é uma "forte suspeita".
Houve um aumento no número de casos de microcefalia nas regiões do Brasil que registraram casos de zika.
No entanto os exames para provar a ligação entre o vírus e a má-formação ainda não foram finalizados.

Quais são os riscos da doença?

Aqui as perguntas relativas à mulheres grávidas se multiplicam: se o vírus causa a microcefalia, qual a frequência que isto acontece? Toda infecção leva a má-formações? Ou é apenas algo em torno de um em cada cem casos? Ou talves um em cada 10 mil?
Por enquanto não se sabe o quanto as mulheres grávidas precisam se preocupar com o surto.

Existe um período mais arriscado durante a gravidez?

Se o zika vírus realmente causa microcefalia, é importante saber quando a mulher foi infectada?
Foram feitas algumas sugestões de que o primeiro trimestre (as primeiras 12 semanas) é um período muito importante, mas outros médicos sugeriram que pode haver risco até a 29ª semana.
E estes riscos podem mudar com o tempo.

Como a doença pode afetar o cérebro?

Algumas infecções, como a rubéola, podem prejudicar o cérebro de bebês durante a gravidez.
ThinkstockImage copyright Thinkstock
Mas não se sabe como o zika vírus pode atravessar a placenta e prejudicar o crescimento do cérebro.

Apresentar os sintomas da doença muda o nível de risco?

Cerca de quatro em cada cinco pessoas infectadas não vão desenvolver os sintomas.
Estes casos, de pessoas que não desenvolvem os sintomas, têm os mesmos riscos de microcefalia que os casos onde a pessoa doente apresenta os sintomas como febre e manchas vermelhas na pele?
Também há o problema da síndrome de Guillain-Barre, que já foi ligada ao zika vírus e ainda não se sabe quais pacientes correm o risco maior.

O que está acontecendo na África e na Ásia?

O vírus foi detectado pela primeira vez na África e então em partes da Ásia até chegar ao Brasil e se espalhar.
Então estes continentes têm populações gigantescas suscetíveis a surtos do zika? Ou o zika já estava nestes lugares há anos sem ser detectado e, sendo assim, a maior parte destas populações já é imune?
É difícil estabelecer o tamanho da ameaça global sem saber esta resposta.

Qual é o número real do aumento dos casos de microcefalia?

Existem grandes questionamentos a respeito da qualidade dos dados coletados tanto antes do surto de zika como depois.
Os números dos anos anteriores aos registros da doença podem ter sido subestimados. E o número de casos suspeitos podem ser superestimados.

A doença pode ser transmitida por outros mosquitos?

AFPImage copyright AFP
O zika vírus é transmitido pelo Aedes aegypti mas existe o temor de que possa ser transmitido por também por outros mosquitos como o tigre asiático.
E este mosquito prefere climas mais temperados, como o de algumas partes da Europa.

Qual é o risco da transmissão através de relação sexual?

Parece que a grande maioria dos casos de transmissão ocorrem por picadas do mosquito Aedes aegypti. O mosquito pica uma pessoa infectada e passa o vírus para a próxima pessoa que picar.
Mas a transmissão por relação sexual já foi ligada a alguns casos da doença. Mas não se sabe o quanto este tipo de transmissão é comum.

Uma pessoa pode ficar imune à doença?

PAImage copyright PA
Se a pessoa é infectada com o zika vírus uma vez ela fica protegida pelo resto da vida, como se fosse sarampo?
Ou é preciso ter a doença várias vezes para ficar imune? Quanto tempo dura a imunidade?
A resposta para estas perguntas pode nos dizer quanto tempo o surto pode durar e indicar se uma vacina pode realmente ser eficaz.

6 de out de 2015

A palavra que contém o segredo do povo mais feliz do mundo

 

  • 5 outubro 2015
ThinkstockImage copyrightThinkstock
Image caption Assim como 'saudade', hygge é uma palavra de difícil tradução; muitas vezes, é explicada como 'acolhedor'
O chamado "hygge" é um conceito 100% dinamarquês: dizem que ele torna os lares mais quentes e as pessoas mais felizes. Mas o que exatamente é o hygge? E, o mais importante: é possível exportá-lo para outros países?
Se perguntarmos a um dinamarquês o que é o hygge (pronuncia-se "hu-ga"), ele poderia responder que é "sentar em frente a uma lareira em uma noite fria, com um confortável pulôver de lã, uma caneca de vinho quente e fazendo carinho em seu cachorro".
Ou ainda comer biscoitos de canela feitos em casa, assistir TV debaixo de um edredom, tomar chá em uma xícara de porcelana na reunião de família do Natal.
Leia também: Brasil sobe oito posições em ranking global de felicidade
Hygge muitas vezes é traduzido como "acolhedor" ou "aconchego". Mas os entendidos dizem que hygge é muito mais do que isso: é uma atitude perante a vida, que ajudou a Dinamarca a superar a Suíça e a Islândia no ranking global de felicidade.

Só no inverno?

Susanne Nilsson é professora de dinamarquês no colégio Morley, de Londres, e as aulas incluem o ensino de hygge aos estudantes.
"Na Dinamarca temos inverno frios e longos", diz. "Isso influi nas coisas. Mas hygge não tem que estar relacionado ao inverno, ainda que o clima não seja tão bom durante grande parte do ano."
ThinkstockImage copyrightThinkstock
Image caption Hygge não precisa estar ligado ao inverno, ainda que tenha a ver com longas e frias noites da estação na Dinamarca
Em pleno inverno, quando os dinamarqueses tem apenas quatro horas de sol por dia e as temperaturas médias giram em torno de 0ºC, as pessoas passam mais tempo dentro de casa, diz Nilsson, e isso significa que as formas de se divertir no lar passam a ser muito importantes.
"Hygge pode ser família e amigos reunidos para jantar à meia luz. Ou pode ser o tempo que você passa sozinho, lendo um bom livro", diz Nilsson.
"Funciona melhor quando não há um espaço vazio grande demais em torno da pessoa ou do grupo", explica.
Leia também: Fósseis, mortos, joias e até um avião: as surpresas encontradas com o derretimento das geleiras
Leia também: Fotos de casamento viralizam após pai da noiva interromper cerimônia para padrasto também levá-la ao altar
A ideia é relaxar e se sentir "em casa" tanto quanto for possível, esquecendo as preocupações da vida.
E o hygge está sendo exportado para outros países - principalmente por meio de restaurantes, cafés e bares de temática escandinava.
São lugares com espaços íntimos, cuja decoração carece de uniformidade e a atenção está concentrada nos alimentos reconfortantes.
Ainda que muitos dos fregueses talvez nunca tenham ouvido falar de hygge, nesses lugares eles podem entender do que se trata.
Nos Estados Unidos, há uma empresa de têxteis e papel de parede chamada Hygge West cujo objetivo principal é canalizar o conceito dinamarquês por meio de desenhos.
E também há uma padaria em Los Angeles chamada Hygge que vende os tradicionais pães e doces dinamarqueses.
ThinkstockImage copyrightThinkstock
Image caption Ideia é relaxar e se sentir em casa
"O resto do mundo parece estar se dando conta, gradualmente, de algo que os dinamarqueses sabem há gerações: passar um tempo curtindo um aconchego com amigos e família, tomando café com bolo ou cerveja, pode ser bom para a alma", afirma Helen Russell, autora do livro The Year of Living Danishly: Uncovering the Secrets of the World's Happiest Country (O ano em que vivemos como dinamarqueses: descobrindo os segredos do país mais feliz do mundo).
"Para mim, hygge tem a ver com ser bom consigo mesmo: se permitir passar um tempo agradável, não se castigar ou se negar nada", diz.
Leia também: Por que moradores do Alasca ganham US$ 2 mil anuais de presente do governo
É um pouco o oposto do que muitos fazem em vários países logo após as festas de Natal e de fim de ano, quando muitas pessoas reagem aos excessos cometidos nas festas fazendo dietas, se exercitando ou se abstendo de álcool.
"Na Dinamarca não há muitas privações forçadas. O que se tenta é ser generoso consigo mesmo e com os demais. Os dinamarqueses não bebem ou comem em excesso e depois cortam tudo. Nem fazem dietas 'ioiô'."
O adjetivo de hygge é "hyggeligt", palavra que costuma ser usada como elogio a anfitriões depois de uma noite agradável em suas casas.
"Hygge não é só um conceito da classe média. Todos, do o gari ao prefeito, estão incluídos", diz Russell.
"Até agora, minha experiência mais hygge provavelmente foi observar o entardecer em uma banheira com água quente durante uma tempestade de neve em janeiro, com uma cerveja na mão. Mas não precisa ser algo tão dramático. O que faço, em geral, é acender uma vela no escritório de minha casa enquanto trabalho."
Kayleigh Tanner é autora do blog Hello Hygge. Ela diz que, ainda que o hygge seja difícil de descrever por ser tão abstrato, começar a ressoar entre muita gente.
ThinkstockImage copyrightThinkstock
Image caption Palavra passou a ser usada em dinamarquês no século 19
___________________________________________________________________

A origem do Hygge

  • O termo surgiu de uma palavra norueguesa que significa "bem-estar".
  • Apareceu pela primeira vez escrita em dinamarquês no século 19 e, desde então, evoluiu para a ideia cultural que se conhece hoje em dia na Dinamarca.
___________________________________________________________________
"São muito interessantes as palavras que não podem ser traduzidas para outros idiomas", diz Tanner.
"Mas se o hygge não está restrito à Dinamarca, por que é tão difícil descrevê-lo sem pegar emprestada a palavra dinamarquesa?"
Alguns dinamarquesas de gerações mais velhas sentem que o hygge já não é mais o que era, que a ênfase na socialização se reduziu porque agora se considera que assistir TV ou um DVD sozinho é "hyggeligt".
Outros países e culturas têm expressões semelhantes.
BBC
Image caption Para alguns, hygge é 'bom para a alma'
Em alemão, há a Gemuetlichkeit: o sentimento de bem-estar baseado em boa comida, companhia e talvez uma bebida.
Mas os dinamarqueses insistem que o hygge é único.
A blogueira Anna Lea West propõe como definição de hygge "a intimidade da alma".
Patrick Kingsley, autor do livro de viagens How to Be Danish (Como ser dinamarquês), afirma que o hygge é uma ideia tão arraigada no sentimento de união dos dinamarqueses que para estrangeiros é muito difícil entender sua importância histórica e social.
Por sua vez, a tradutora dinamarquesa ToveMaren Stakkestad escreve: "Hygge não é para ser traduzido. É para ser sentido".

Cada pessoa tem 'nuvem' particular de micróbios, diz pesquisa

Cada pessoa tem 'nuvem' particular de micróbios, diz pesquisa

Neste exato momento, você está envolto por uma "nuvem" única, formada por milhares de bactérias, suas próprias bactérias, segundo um estudo feito por cientistas da Universidade do Oregon, nos Estados Unidos.
Ao entrar na nuvem de uma outra pessoa, você é atingido por uma "chuva" de bactérias em sua pele e vai respirá-las, até chegarem ao seu pulmão.
Essa descrição está em um estudo, divulgado na publicação científica PeerJ, que analisou 11 pessoas e concluiu que é possível identificá-las pelos micróbios.
Outras pesquisas já haviam mostrado a extensão do nosso microbioma – conjunto de bactérias, vírus e fungos no nosso corpo.
Essa grupo pode ser transmitido por meio de contato direto, pelo ar ou por células mortas presentes na poeira.

Você pode dar uma passo para trás, por favor?

Os participantes do estudo permaneceram em uma câmara fechada por quatro horas, onde o ar era bombardeado para dentro por meio de um filtro, para evitar contaminação.
Leia também: Imagens impressionantes são expostas em 1º museu do mundo dedicado a micróbios
Já os filtros dentro do cômodo coletavam amostras da "nuvem" das pessoas. E cientistas então analisaram as bactérias coletadas.
"Acreditamos que vamos ser capazes de detectar o microbioma humano no ar que rodeia uma pessoa, mas ficamos surpresos em descobrir que podíamos identificar a maioria das pessoas do grupo apenas pelas amostras da nuvem de micróbios", disse um dos pesquisadores, Dr. James Meadow.
O microbiólogo Ben Neuman, da Universidade de Reading, disse à BBC: "Você pode sentir o cecê ('cheiro' de corpo) de uma pessoa e ainda sabe que todas aquelas coisas estão rastejando em você – que maravilha!"
Segundo ele, essa "descoberta nojenta" faz sentido, já que há uma crescente percepção do microbioma, e mostra que, ao trocarmos bactérias, "estamos mudando um ao outro".
Leia também: Cientista brasileira desvenda mistério de relação entre tamanho do cérebro e horas de sono
Para Neuman, seria útil saber quais bactérias podem "voar" pelo ar. Mas ele deixa claro que não há com o que se preocupar.

Um banho extra?

O microbiólogo argumenta que não é o caso de se tomar mais banhos por dia.
"Não ajudaria. Precisamos apenas superar isso e seguir adiante."
Na nuvem, há grupos de bactérias como a Streptococcus, que é comum em bocas, e outras que são encontradas em peles, como a Propionibacterium e Corynebacterium.
Leia também: Nove momentos que determinam sua identidade antes mesmo de você nascer
Os pesquisadores afirmam que essa combinação pode ter uma "aplicação forense", para se detectar se alguém passou por um determinado local.
No entanto, ainda não está claro o quanto o microbioma de cada um pode mudar ao longo do tempo.
Adam Altrichter, um dos pesquisadores do projeto disse à BBC: "Precisamos entender que não somos seres assépticos e isso é algo completamente natural e saudável".
Segundo ele, o tamanho das nuvens ainda não foi medido, mas é estimado que ela se estenda por 30 centímetros.

Por que alguns homens desenvolvem sintomas de gravidez

Por que alguns homens desenvolvem sintomas de gravidez

  • Image copyrightTHINKSTOCK
Image caption O caso de Harry Ashby não é único; síndrome de Couvade aparece em homens que estão perto da paternidade
Há cerca de um ano, Harry Ashby, que tem 29 anos e trabalha como segurança na Inglaterra, figurou nas manchetes de vários jornais britânicos por estar sofrendo uma série de sintomas atípicos para um homem: náuseas, enjoos, aumento de peso e até crescimento da barriga.
Curiosamente, esses eram os mesmos sintomas que sua namorada, grávida, sentia. Ashby foi ao médico e obteve o diagnóstico: ele estava com síndrome de Couvade.
Não é uma doença, mas um conjunto de sintomas de uma "gravidez fantasma", uma espécie de gravidez psicológica ou "gravidez por empatia".
Leia mais: Quem é Krzysztof Charamsa, o padre que se declarou gay às vésperas de sínodo católico
O caso de Harry Ashby pode até parecer estranho, mas não é o único, nem o primeiro.

Antecedentes antropológicos

O nome da síndrome vem da palavra francesa "couver", que significa incubar. Ela designa um conjunto de sintomas involuntários associados à gestação, que não têm nenhuma causa física aparente – e que aparecem em alguns homens que vão ser pais.
Foi um antropólogo francês que utilizou esse nome pela primeira vez em 1865 para descrever os hábitos que observou em comunidades primitivas, como na antiga Grécia, diante da espera de um bebê.
Essas comunidades passavam por rituais "imitando" o que acontecia com as mulheres grávidas. O homem imitava as dores do parto, deixava de fazer suas coisas e de ter qualquer esforço físico e, quando o bebê nascia, ele o colocava no peito e simulava a amamentação.

Sintomas

Além dos sintomas sentidos por Harry Ashby, outros comuns a quem desenvolve a síndrome de Couvade moderna são vômito, tontura, dores abdominais e dentárias, mudança de apetite, fadiga, insônia, problemas intestinais, alteração de peso, entre outros.
Image copyrightTHINKSTOCK
Image caption Falar com a esposa, com os amigos ou participar de grupos de pais onde o homem possa expressar suas inquietações podem ajudar a diminuir os sintomas
Em 2013, uma equipe de pesquisadores poloneses observou 143 homens que estavam para ser pais e concluiu que 72% deles apresentaram pelo menos um dos 16 sintomas da síndrome de Couvade durante a gravidez de suas esposas. Os resultados do estudo foram publicados na revista científica Medical Science Monitor.
Leia mais: O matemático peruano que resolveu um problema de quase 300 anos
Antes disso, outro estudo realizado em 2007 por pesquisadores da Universidade St. George, de Londres, analisou 282 futuros pais que acompanhavam suas mulheres grávidas ao hospital e constatou que 11 deles relataram sintomas similares aos de Ashby.
Um dos líderes da pesquisa, Arthur Brennan, disse à época que, apesar de parecer fingimento, esses sintomas dos homens são reais.
"Algumas pessoas podem pensar que esses homens estão fingindo, mas eles não estão querendo chamar a atenção. Esses sintomas são involuntários."

Causas

Segundo especialistas, não está claro por que alguns homens desenvolvem esses sintomas típicos da gravidez. Mas alguns deles sugerem que isso pode estar relacionado com a ansiedade sobre a gestação e a paternidade.
O ginecologista e psiquiatra Alfonso Gil Sánchez diz que, tradicionalmente, toda pesquisa sobre saúde mental pré-natal tem se concentrado na mulher, mas agora há evidências concretas de que o homem também sofre mudanças - juntamente com a mulher.
Gil Sánchez, que também é membro da Sociedade Internacional de Saúde Mental Pré-Natal, afirma que há provas de que o homem passa por mudanças no cérebro para poder se relacionar e se apegar com o bebê, além de mudanças psicológicas e sociais relacionadas com as expectativas culturais sobre o que significa ser pai.
O médico destaca que a síndrome de Couvade não é uma doença psiquiátrica, nem um delírio: o homem não acredita que está efetivamente grávido.
É, na realidade, a "soma de um conflito psicológico que não se pode resolver racionalmente", disse à BBC Mundo. E, portanto, é algo que se manifesta por meio de sintomas físicos sem uma explicação aparente.
No entanto, Gil Sánchez acredita que a síndrome de Couvade "é uma manifestação absolutamente normal", que não tem nada de patológico e que reúne todos esses conflitos que surgem da mudança vital que a paternidade traz: medos, inseguranças e ansiedade.
Image copyrightTHINKSTOCK
Image caption Em algumas culturas, é muito difícil o homem conseguir expressar seu medo ou sua ansiedade pela paternidade
"Não é necessariamente algo negativo", diz.
Por outro lado, o médico ressalta que, em algumas culturas, é muito difícil para um homem expressar ansiedade - admitir, por exemplo, que tem medo de ser pai e que não sabe o que fazer. E tudo isso se reflete nos sintomas do corpo.
"É o corpo expressando esses sentimentos por meio do sintomas."
Leia mais: Imigrantes se tornam mediadores para ajudar refugiados na Itália

Tratamento

Como não é considerada uma doença, não há um tratamento específico para a síndrome de Couvade.
Mas Gil Sánchez sugere que colocar para fora as emoções e as preocupações que os homens sentem nessa situação pode ajudar a diminuir os sintomas.
De qualquer forma, segundo os estudos realizados sobre o tema, a maioria dos sintomas relatados pelos homens desaparece depois do parto de suas esposas.

Outras teorias

Há outras teorias psicológicas, porém, que tentam explicar a origem dessa síndrome.
Uma teoria psicoanalítica sugere que tudo começa por causa de uma inveja que o homem tem da capacidade da mulher para a gestação.
Outra teoria diz que alguns futuros pais veem o filho que ainda nem nasceu como um rival na disputa pela atenção da mãe, e o surgimento involuntário da síndrome de Couvade o ajuda a se identificar com a esposa e a desenvolver o instinto protetor com relação ao bebê.
Há também uma teoria psicossocial, que diz que durante a gestação da mulher, os homens podem se sentir relegados a um papel secundário ou "inúteis" – e para contestar esse sentimento, o homem desenvolve involuntariamente a síndrome de Couvade.
E de uma perspectiva totalmente diferente, há outra teoria que diz que é justamente a proximidade do homem com o feto que desencadeia a síndrome. Assim, os sintomas que aparecem no homem refletem o nível de "apego" que ele já tem com a criança que ainda não nasceu e sua empatia pela esposa na gravidez.
Por outro lado, há estudos mais recentes que explicam a síndrome de um ponto de vista hormonal. Essas pesquisas descobriram que os homens têm aumento do nível hormonal de prolactina e estrógeno durante o primeiro e o terceiro trimestre de gravidez de suas esposas.
Ainda segundo esses estudos, as mudanças hormonais estariam associadas à demonstração de um comportamento paternal.

Olhar o Facebook dos outros pode nos deixar mais tristes?

migos postando fofocas de festas animadas das quais você não participou; conhecidos registrando em fotos uma viagem para algum destino paradisíaco; celebridades mostrando seu cotidiano de luxo e agito. Se você passa seu tempo observando, passivamente, esse tipo de conteúdo no Facebook talvez já tenha experimentado uma sensação de tristeza.
E não está sozinho. Alguns estudos têm mostrado como a rede social pode afetar negativamente nosso bem-estar e provocar sentimentos como inveja.
Uma recente pesquisa da Universidade de Michigan (EUA) com a Universidade de Leuven (Bélgica), publicada no Journal of Experimental Psychology: General, analisou 84 estudantes universitários, que foram instruídos a usar o Facebook por dez minutos dentro de um laboratório e, em seguida, responder um questionário a respeito de suas emoções.
E os que usaram o Facebook passivamente, meramente observando as atividades e fotos de seus conhecidos ou pessoas famosas, se sentiam significativamente mais tristes e mais invejosos ao longo do tempo.
"Sabemos que a vida nos traz dificuldades; nos sentimos bem e nos sentimos mal. Se você está constantemente vendo como a vida das outras pessoas vai bem, vai se sentir pior quanto a sua vida (porque), em comparação, ela parece não ir tão bem", explica à BBC Brasil o professor associado de psicologia Ethan Kross, coautor do estudo na Universidade de Michigan.
O jornal The New York Times chamou atenção para o fenômeno no recém-terminado verão americano, em meio às milhares de postagens de celebridades nas redes sociais exibindo suas glamourosas rotinas, em fotos de corpos perfeitos, cenários deslumbrantes e companhias igualmente famosas.
A ponto de ter sido popularizada a hashtag "medo de estar perdendo" ("fear of missing out" em inglês, ou #FOMO), usada nas redes sociais por pessoas chateadas por não estarem aproveitando as férias com a mesma aparente intensidade.
Image copyrightOther
Image copyrightOther
Image caption Deprimido em ver o 'feed' com notícias e fotos incríveis dos seus conhecidos? Você não está sozinho

Versão 'editada'

Mas a verdade é que poucos estão. É preciso lembrar que as redes sociais mostram uma versão "editada" de nossas vidas.
"Quando as pessoas postam no Facebook e redes sociais, tendem a postar coisas boas, como fotos bonitas delas em férias. Se você está usando passivamente o Facebook, o que você vê constantemente são esses acontecimentos positivos das vidas dos outros que não são um retrato fiel de suas vidas nem de suas rotinas", explica Kross.
"Todos fazem de tudo para mostrar o seu melhor (na rede social). Quem teve um dia absolutamente banal não vai contar no Facebook", agrega Luli Radfahrer, professor-doutor em Comunicação Digital da ECA-USP e consultor em inovação digital no Brasil.
Para ele, o Facebook substituiu a TV em termos de consumo passivo e pode fazer as pessoas perderem seu referencial.
"Se você vê sempre todas as pessoas muito felizes enquanto você está se sentindo frágil por qualquer motivo, aquilo vai deixá-lo triste - é instintivo. É como se você estivesse constantemente cercado por um grupo de pressão, que só te mostra o que faz de melhor", diz.
As conclusões de Kross e sua equipe têm algumas semelhanças com uma pesquisa de 2012, da Universidade Utah Valley (EUA), com 425 estudantes universitários, que indicava que usuários de Facebook por períodos mais prolongados acreditavam que as outras pessoas eram mais felizes e tinham uma vida melhor do que a deles.

Image copyrightThinkstock
Image caption É bom lembrar que as pessoas postam online uma versão 'editada' de suas vidas, explicam estudiosos

Uso ativo

O pesquisador americano acredita que efeitos similares possam ser observados no Instagram, ainda que não necessariamente nas demais redes sociais, como o Twitter.
E, de volta ao Facebook, a pesquisa de Kross não identificou queda no bem-estar das pessoas que usavam a rede social de forma mais ativa, ou seja, produzindo informações, conversando com outras pessoas, postando links e interagindo com os demais usuários.
Basicamente, o nível de bem-estar dos usuários ativos se manteve estável.
Agora, Kross e seus colegas querem estudar que tipo de uso da rede social melhoraria o humor e a autoestima dos internautas.
"O uso ativo - além de não impactar seu humor - pode ter outros efeitos positivos, como manter as pessoas informadas sobre o que está acontecendo em sua vida social e manter contato com as pessoas, o que traz vantagens para famílias, carreiras. Quanto a como ampliar as emoções positivas (no Facebook), vamos investigar", diz.
Sua pesquisa aponta, também, que quanto mais as pessoas interagiam diretamente umas com as outras "offline", mais seu humor melhorava ao longo do tempo.
Para Luli Radfahrer, uma forma de se proteger da tristeza causada pelas redes sociais é tentar ao máximo tomar consciência dos efeitos que elas provocam.
"O Facebook é algo novo e intenso. Primeiro, precisamos aprender a relativizá-lo em relação a seu ambiente social e seu conteúdo. Como muita gente moveu seu grupo social para dentro dele, o perigo é que passem a acreditar que o que acontece ali seja um retrato fiel do que acontece na vida real", opina.
"E se você se sente mal (com os estímulos recebidos das redes sociais), uma sugestão é largá-las por um tempo, tirar um período sabático."

bbc brasil

19 de jun de 2015

Lista sobre origem da vida

01. (UFMS) O cérebro humano evoluiu e, ainda nos primórdios da civilização, nossos hipotéticos ancestrais já poderiam viver, como certos microrganismos quimiolitoautotróficos atuais, ao redor de fendas vulcânicas submersas, onde há liberação contínua de gás sulfídrico (H2S). Segundo a hipótese autotrófica, os outros tipos de seres vivos teriam se originado a partir dos primeiros seres quimiolitoautotróficos, na seguinte ordem:
a) Primeiro, os que realizavam fermentação; depois, os fotossintetizantes; por fim, os que respiravam oxigênio (aeróbios).
b) Primeiro, os fotossintetizantes; depois, os que realizavam fermentação; por fim, os que respiravam oxigênio (aeróbios).
c) Primeiro, os fotossintetizantes; depois, os que respiravam oxigênio (aeróbios); por fim, os que realizavam fermentação.
d) Primeiro, os que respiravam oxigênio (aeróbios); depois, os que realizavam fermentação; por fim, os fotossintetizantes
e) Primeiro, os que respiravam oxigênio (aeróbios); depois, os fotossintetizantes; por fim, os que realizavam fermentação.
02. (UNICENTRO) São muitas as discussões sobre a origem da vida no planeta Terra. Os estudos sobre o assunto evidenciam a importância dos avanços tecnológicos e das pesquisas para o aprimoramento das hipóteses sobre a origem da vida. Porém, após alguns séculos de estudos, apesar de consideráveis avanços, ainda existem muitas perguntas sem respostas. Sobre as principais teorias da origem da vida, pode-se afirmar:
a) Haldane e Oparin admitiam que moléculas inorgânicas, encontradas na atmosfera primitiva, se combinariam originando moléculas orgânicas simples, que, posteriormente, adquiriram a capacidade de autoduplicação e metabolismo.
b) A teoria da abiogênese foi confirmada com as pesquisas realizadas por Pasteur, em que micro-organismos foram encontrados em frascos com “pescoço de cisne”, após o processo de fervura.
c) Os avanços tecnológicos e as pesquisas atuais permitiram definir a descoberta da vida como sendo através da evolução de componentes inorgânicos originados no próprio planeta Terra.
d) Segundo a panspermia, os primeiros seres vivos teriam vindo do cosmos e seriam pluricelulares e autótrofos.
e) As pesquisas realizadas puderam comprovar a hipótese autotrófica, pois não existiam nutrientes suficientes na Terra primitiva para suprir os seres vivos.
03. (UEM) Sobre a origem da vida na Terra, assinale o que for correto.
I  II
0  0 – A composição química da atmosfera primitiva da terra, constituída por CH4, NH3, H2 e vapor d’água, é de extrema importância para a lógica da teoria heterotrófica de Oparin. Essas moléculas, segundo a teoria, eram necessárias para a síntese de compostos orgânicos.
1  1 – A principal evidência a favor da hipótese autotrófica foi a descoberta de bactérias primitivas, que teriam originado os seres fermentadores, os fotossintetizantes e os respiradores aeróbicos.
2  2 – Louis Pasteur realizou experimentos que consistiam em colocar líquidos nutritivos e pedaços de carne em frascos, aquecê-los e, posteriormente, tampá-los. Após certo período, constatou, nos frascos, a formação de microrganismos variados, fortalecendo a teoria da Biogênese.
3  3 – As moléculas de proteínas são polímeros de aminoácidos unidos entre si por ligações peptídicas.
4  4 – A hipótese heterotrófica considera que os primeiros seres vivos produziam suas próprias substâncias alimentares a partir da energia liberada por reações químicas entre componentes inorgânicos da crosta terrestre.
04. (UFLA) A representação do experimento realizado por Louis Pasteur é apresentada abaixo:
04
A partir dos resultados obtidos nesse experimento, constata-se que:
a) Foi comprovada a formação de coacervados.
b) Foi comprovada a teoria da abiogênese.
c) Foi observada a formação de aminoácidos.
d) Foi refutada a teoria da abiogênese.
05. (UNICAMP) Em 1953, Miller e Urey realizaram experimentos simulando as condições da atmosfera primitiva que era, provavelmente, constituída de CO2 (80%), CH4 (10%), CO (5%) e N2 (5%) (porcentagens em volume). Considerando-se a composição da atmosfera primitiva, pode-se afirmar que:
a) O CO2 presente na atmosfera primitiva pode ter se originado da degradação aeróbica da glicose.
b) A matéria precursora da vida só poderia ter se formado se houvesse enzimas para catalisar as reações entre os gases presentes na atmosfera primitiva.
c) As substâncias orgânicas formadas a partir dos gases presentes na atmosfera primitiva deram origem a proteínas e ácidos nucleicos.
d) Os aminoácidos formados na Terra primitiva surgiram do aumento da interação de moléculas de ácido nucleico com proteínas.
06. (UEPA) Com base nas teorias postuladas para o surgimento da vida no planeta, julgue as alternativas abaixo:
I    II
0   0 – No fixismo, a vida surgiu pela criação divina e pode sofrer mudanças ao longo do tempo.
1  1 – A panspermia postula que a vida veio do espaço aderida a meteoritos que caíram na terra.
2   2 – Na abiogênese, a vida surgiu a partir de outro ser vivo.
3   3 – A vida surgiu a partir de coacervados nos mares primitivos.
4 4 – Na teoria da evolução química, a vida surgiu a partir da matéria inanimada com associação entre as moléculas.
07. (UFPB) Nos estudos sobre o surgimento da vida na Terra, duas hipóteses são postuladas acerca das formas pelas quais os organismos obtinham energia: os primeiros organismos eram heterotróficos; e os primeiros organismos eram autotróficos. Com base na forma de obtenção de energia, é correto afirmar que organismos:
a) Autotróficos não utilizam oxigênio em suas vias metabólicas.
b) Autotróficos não obtêm energia a partir de compostos inorgânicos.
c) Autotróficos utilizam apenas o catabolismo para obter energia.
d) Heterotróficos utilizam o catabolismo e o anabolismo para obter energia.
e) Heterotróficos, na ausência de luz, não utilizam o anabolismo para obter energia.
08. (PUC-RIO) Louis Pasteur derrubou a teoria da abiogênese, comprovando que a vida não surgia espontaneamente. Para isso, ele realizou experimento utilizando um frasco com gargalo em forma de pescoço de cisne que impedia:
a) A alteração do pH do líquido dentro do frasco.
b) A alteração da temperatura do líquido dentro do frasco.
c) O contato do oxigênio presente no ar com o líquido dentro do frasco.
d) O contato do vapor d’água presente no ar com o líquido dentro do frasco.
e) O contato de microrganismos presentes no ar com o líquido dentro do frasco.
09. (UESPI) A teoria da Biogênese afirma que os organismos vivos surgiram a partir de outros que os precederam. Contudo, não explica como surgiu o primeiro organismo, que possivelmente tinha as seguintes características:
a) Eram acelulares e heterótrofos.
b) Realizavam fotossíntese a partir de descargas elétricas e raios ultravioleta.
c) Possuíam carioteca envolvendo seu material genético de RNA.
d) Eram procariontes com material genético de DNA e ribossomos para síntese proteica.
e) Constituíam-se de elementos químicos tais como carbono, hidrogênio e enxofre.
10. (PASUSP) Em A Origem das Espécies, num raciocínio que cabe em poucas linhas, mas expressa ideias de alcance gigantesco, Darwin produziu uma revolução que alteraria para sempre os rumos da ciência. Ele mostrou que todas as espécies descendem de um ancestral comum, uma forma de vida simples e primitiva. Darwin demonstrou também que, pelo processo que batizou de seleção natural, as espécies evoluem ao longo das eras, sofrendo mutações aleatórias que são transmitidas aos seus descendentes. Essas mutações podem determinar a permanência da espécie na Terra ou sua extinção – dependendo da capacidade de adaptação ao ambiente.
Gabriela Carelli, http://veja.abril.com.br/110209/p_072.shtml. Acessado em 15/06/2010.
Considere as seguintes afirmações, elaboradas com base na leitura do texto:
I. Os seres vivos tiveram origem a partir de um ancestral complexo.
II. As espécies se transformam ao longo do tempo.
III. A extinção de espécies é uma consequência da seleção natural.
IV. O ambiente não interfere na seleção das espécies.
Está correto apenas o que se afirma em:
a) I e II.
b) I e III.
c) II e III.
d) II e IV.
e) III e IV.
11. (UPE)
OBSERVE AS FRASES ABAIXO
I. No canto XIX do poema épico Ilíada (Homero VIII- IX a. C.), Aquiles pede a Tétis que proteja o corpo de Pátrocles contra os insetos, que poderiam dar origem a vermes e assim comer a carne do cadáver.
II. A geração espontânea foi aceita por muitos cientistas, dentre estes, pelo filósofo grego Aristóteles (384-322 a. C.).
III. “…colocam-se, num canto sossegado e pouco iluminado, camisas sujas. Sobre elas, espalham-se grãos de trigo, e o resultado será que, em vinte e um dias, surgirão ratos…”(Jan Baptista van Helmont – 1577-1644).
IV. Pasteur (1861) demonstrou que os microorganismos surgem em caldos nutritivos, através da contaminação por germes, vindos do ambiente externo.
Assinale a alternativa que correlaciona adequadamente os exemplos com as teorias relativas à origem dos seres vivos.
a) I-abiogênese, II-biogênese, III-abiogênese e IV-biogênese.
b) I-abiogênese, II-biogênese, III-biogênese e IV-abiogênese.
c) I-abiogênese, II-abiogênese, III-biogênese e IV-biogênese.
d) I-biogênese, II-abiogênese, III-biogênese e IV-abiogênese.
e) I-biogênese, II-abiogênese, III-abiogênese e IV-biogênese.
12. (UFLA) Em relação à Teoria da Biogênese, apresentam-se as proposições abaixo:
I. É uma teoria segundo a qual um ser vivo se origina somente a partir de processos de reprodução.
II. Segundo essa teoria, a vida pode surgir a partir de matéria inanimada.
III. Os experimentos de Redi e de Pasteur, nos séculos XVII e XIX, respectivamente, foram muito importantes para a credibilidade dessa teoria.
IV. Os diferentes experimentos e pesquisas realizados com o objetivo de consolidar a Teoria da Biogênese levaram à descrença da Teoria da Geração Espontânea.
Assinale a alternativa correta.
a) Apenas as proposições III e IV estão corretas.
b) Apenas as proposições I, III e IV estão corretas.
c) Apenas as proposições II e III estão corretas.
d) Apenas as proposições I, II e IV estão corretas.
13. (UDESC) Uma das hipóteses quanto à origem da vida é a evolução gradual dos sistemas químicos, também conhecida como a hipótese de Oparin e Haldene. Assinale a alternativa incorretaem relação a esta hipótese.
a) Oparin acreditava que as descargas elétricas das tempestades promoveram várias reações químicas nos coacervados, formando os primeiros complexos moleculares inorgânicos nos oceanos primitivos.
b) Época em que havia muitas tempestades com descargas elétricas frequentes, fornecendo energia necessária para que algumas moléculas, presentes na atmosfera, se unissem e formassem as primeiras moléculas orgânicas.
c) Oparin suspeitou que a formação dos complexos moleculares pudesse ter ocorrido nos mares ou oceanos primitivos, dando aos complexos o nome de coacervados.
d) O resfriamento da crosta terrestre ocorreu pela intensa frequência de chuvas, o que permitiu o acúmulo de água, dando origem aos mares primitivos.
e) Além das tempestades intensas, havia grande quantidade de radiações, principalmente de raio ultravioleta, que atingiam a Terra, pois não existia o escudo de ozônio (O3).
14. (UECE) Recentemente, pesquisadores dissolveram em água material orgânico extraído dos meteoritos e obtiveram coacervados, reforçando a teoria da pangênese sobre a origem da vida. Coacervados são:
a) Bolsas delimitadas por membranas lipoproteicas.
b) Estruturas precursoras das bactérias, apresentando membrana, material genético, porém, sem parede celular.
c) Estruturas semelhantes a arqueobactérias, que não dependem da fotossíntese para sobreviver.
d) Aglomerados de proteínas que se formam espontaneamente em soluções aquosas com certo grau de acidez e de salinidade, envolvidos por uma película d‟água.
15. (UECE) Sabe-se que a hipótese heterotrófica é a mais aceita para explicar a origem da vida. Essa hipótese foi proposta com base na suposição de que tenha se formado uma sopa orgânica na terra primitiva. Dentre as condições abaixo, podemos afirmar corretamente que uma das condições presentes na atmosfera primitiva, sem a qual não haveria abundância de nutrientes nos oceanos primitivos era:
a) A presença do CO2, numa atmosfera similar à dos planetas Vênus e Marte, os quais estariam nos estágios iniciais de evolução da vida.
b) A presença de uma atmosfera redutora, onde Metano, Amônia e Vapor d‟água estariam entre os principais componentes.
c) O ambiente estável, onde a energia na atmosfera se manifestava como no ambiente contemporâneo.
c) A presença abundante de oxigênio para proporcionar reações químicas mais eficazes na produção de matéria orgânica.
16. (UEPB) Sobre a origem dos seres vivos, duas teorias sustentaram uma polêmica nos meios científicos, até fins do século XIX: a Teoria da Abiogênese e a Teoria da Biogênese. Sobre essa temática é correto afirmar que:
I    II
0  0 – O filósofo grego Aristóteles acreditava que um “princípio ativo” ou “vital” teria a capacidade de transformar a matéria bruta em um ser vivo; essa forma de pensar foi a base filosófica para o surgimento da Teoria da Abiogênese ou Teoria da Geração Espontânea.
1  1 – Coube a Louis Pasteur, por volta de 1860, provar definitivamente que os seres vivos se originam de outros seres vivos; para isso ele realizou experimentos com balões do tipo “pescoço de cisne”.
2  2 – Jan Baptist van Helmont e Francesco Redi eram adeptos da Teoria da Abiogênese, chegando mesmo a formular “receitas” para produzir seres vivos.
3  3 – O fato de Louis Pasteur ter utilizado balões do tipo pescoço de cisne foi fundamental para o sucesso do experimento, pois as gotículas de água que se acumulam nesse pescoço durante o resfriamento funcionam como um filtro, retendo os micróbios contidos no ar que penetra no balão.
4  4 – Lazzaro Spallanzani aqueceu por cerca de uma hora substâncias nutritivas em frascos hermeticamente fechados. Após alguns dias ele abriu o frasco e observou o líquido ao microscópio: a presença de organismos fortalecia a Teoria da Abiogênese.
17. (UEFS) A evolução, assim como a replicação do ácido nucleico, própria da reprodução e da autopoese — capacidade de auto-organização e autorregeneração dos seres vivos —, é um “tropeço para adiante”, destinado a protelar a ameaça da dissolução termodinâmica. A maioria dos átomos de nossos corpos é feita de hidrogênio — o elemento que, como gás, de acordo com os modelos astronômicos, foi explosivamente deslocado para além dos confins do sistema solar interno, quando o Sol se acendeu. Hoje em dia, gases ricos em hidrogênio, como a amônia, existem não apenas nas atmosferas dos gigantescos planetas externos, mas também no sistema solar interno, onde a vida os preservou com sua mesmíssima estrutura, desde que começou a se manter e a se reproduzir.
(MARGULIS & SAGAN, 2002, p. 92).
A vida estabelecida no planeta Terra apresenta uma base físico-química presente, possivelmente, em outros refúgios do Universo. Ao considerar as condições necessárias para se reconhecer cientificamente a possibilidade de vida em outro planeta e com base no padrão terrestre, é possível afirmar:
a) A presença de moléculas baseadas em cadeias de carbono, de água na forma líquida e de uma fonte de energia é considerada como condição essencial para uma possível biogênese.
b) A amônia presente na atmosfera dos planetas externos pode desenvolver vida na condição de estar combinada com uma força vital etérea, essencial à geração espontânea.
c) Os elementos químicos presentes no seres vivos são exclusivos dos sistemas biológicos, portanto inexistentes em um ambiente abiótico.
d) As condições mínimas para formação de vida, com base no referencial terrestre, exigem a presença de moléculas orgânicas associadas à luz solar e à presença de oxigênio molecular.
e) A vida extraterrestre depende essencialmente da capacidade de se preservar as mesmas estruturas moleculares primordiais da formação do sistema solar.
18. (UCPel) O aglomerado de moléculas orgânicas, revestido por uma película de moléculas de água e que, na opinião de alguns cientistas, pode ser um dos primeiros passos rumo à origem da vida, chama-se:
a) Aminoácido.
b) Coacervado.
c) Microrganismo.
d) Enzima.
d) Proteína.
19. (UEFS) A célula, menor estrutura autopoética hoje conhecida, é a unidade mínima capaz de um metabolismo auto-organizador incessante. A origem da mais ínfima célula bacteriana, primeiro sistema autopoético, com cerca de quinhentos tipos diferentes de proteínas e outras moléculas de cadeia longa, é obscura. No entanto, a maioria concorda em que compostos complexos de carbono, expostos de algum modo a uma energia incessante e à transformação ambiental, convertem-se em gotículas oleosas que acabam por se tornar células delimitadas por uma membrana.
(MARGULIS & SAGAN, 2002, p. 91).
Conforme proposto por Alexander Oparin, na sua hipótese heterotrófica de origem da vida, esta pode ter surgido a partir de uma longa evolução química. Com relação aos pressupostos desenvolvidos por essa hipótese e dos novos conhecimentos associados a esse tema, é possível afirmar:
a) A hipótese heterotrófica de Oparin foi um marco na história da ciência por desvendar os mistérios antes relacionados ao tema de origem da vida.
b) As gotículas oleosas formadas nas camadas mais altas da atmosfera primitiva eram resultado da interação de vários gases atmosféricos com a radiação infravermelha.
c) A presença de uma célula delimitada por uma membrana lipoproteica com capacidade seletiva foi essencial na estabilização e evolução das reações metabólicas do protobionte.
d) O estabelecimento de um metabolismo auto-organizador incessante prescindiu da participação de uma molécula informativa, provavelmente na forma de RNA.
e) A energia incessante presente no ambiente favoreceu a formação dos primeiros protobiontes que já fixavam a luz solar como fonte energética.
20. (UFPB) Muitas são as teorias acerca da origem da vida na Terra primitiva e, em especial, sobre a evolução dos processos energéticos dos primeiros organismos que surgiram na Terra. A reação química, esquematizada a seguir, representa um desses processos de obtenção de energia.
20
Nesse contexto, é correto afirmar que os organismos que obtinham energia pela reação esquematizada eram:
a) Quimiolitoautotróficos.
b) Fotossintetizantes.
c) Aeróbicos.
d) Fermentadores.
e) Heterotróficos.
21. (UFPB) Stanley Miller, sob orientação do químico Harold Urey, demonstrou, em seu experimento realizado no ano de 1953, que em uma mistura de vapor de água e dos gases amônia (NH3), metano (CH4) e hidrogênio (H2), submetida a descargas elétricas, é possível a formação de moléculas orgânicas (prebióticas) a partir das condições supostamente existentes na terra primitiva. A figura abaixo ilustra o experimento descrito.
21
Com base nos estudos de Miller e na figura, é correto afirmar que esse experimento
a) Apresentou, como resultado, uma “sopa” com todas as moléculas essenciais para originar vida, mesmo que primitiva.
b) Mostrou que o surgimento de moléculas prebióticas pode ocorrer de acordo com os princípios da geração espontânea.
c) Falhou, porque não pode ser repetido por outros pesquisadores.
d) Demonstrou, de forma definitiva, a origem da vida na Terra.
e) Evidenciou que, nas condições experimentais, a vida não poderia se originar, porque entre os gases utilizados em sua pesquisa não existia oxigênio.
22. (UFPA) Durante o processo de origem da vida, moléculas inorgânicas, antes abundantes na atmosfera da Terra,combinaram-se para formar moléculas orgânicas fundamentais à estruturação da célula que conhecemos hoje. Uma dessas estruturas permitiu adelimitação da célula em relação ao meio ambiente,possibilitando trocas entre os dois sistemas. Suacomposição é basicamente:
a) Lipídios.
b) Lipídios e proteínas.
c) Ácidos nucleicos e água.
d) Ácidos nucleicos e proteínas.
e) Glicoproteínas.
23. (UNIR) Como na terra primitiva não havia oxigênio livre, os primeiros organismos não deveriam realizar respiração aeróbia, obtendo energia para sua sobrevivência a partir da matéria orgânica presente no meio. A esse processo dá-se o nome de:
a) Fotossíntese.
b) Quimiossíntese.
c) Abiogênese.
d) Fermentação.
e) Biogênese.
24. (UFPB) Acerca da terra primitiva, é correto afirmar:
a) A água estava restrita às geleiras e aos oceanos congelados.
b) Os protozoários foram os primeiros seres vivos que surgiram.
c) A atmosfera apresentava altas concentrações de Oxigênio, Nitrogênio, Hidrogênio e Carbono em estado gasoso.
d) As fortes descargas elétricas e a grande quantidade de raios ultravioleta foram fundamentais para a formação das primeiras moléculas orgânicas.
e) Os organismos quimiolitoautotróficos produziam seu alimento a partir de moléculas de carbono.
25. (UFERSA) Responda esta questão com base no calendário abaixo, que representa a história da Terra, desde o seu surgimento até os dias de hoje, descrita numa escala hipotética de 12 meses.
25
Considerando o tempo de existência do nosso Planeta, nesse calendário, cada mês equivale a aproximadamente:
a) 3,5 milhões de anos.
b) 35 milhões de anos.
c) 350 milhões de anos.
d) 3,5 bilhões de anos.
26. (UFPI) Avanços no conhecimento científico levantaram dúvidas sobre as ideias da criação divina e do surgimento da vida por mecanismos não reprodutivos. Em meados do século XIX, experimentos científicos ocasionaram alterações no entendimento sobre a origem dos seres vivos. Marque a alternativa que contempla o experimento que forneceu evidências irrefutáveis de que os seres vivos surgem somente pela reprodução de seres da mesma espécie.
a) Camisas sujas cobertas com grãos de trigo foram guardadas por vinte dias até o aparecimento de ratos.
b) Caldos nutritivos à base de carne foram colocados em diversos frascos e fervidos por 30 minutos e imediatamente vedados com rolhas de cortiça e, depois de vários dias, os caldos estavam repletos de seres microscópicos.
c) Caldos nutritivos à base de carne foram colocados em frascos com gargalos esticados e curvados, e fervidos até sair vapor pelas extremidades, e com o resfriamento as partículas em suspensão no ar ficaram retidas nas paredes do gargalo.
d) Caldos nutritivos à base de carne foram colocados em frascos vedados com rolhas de cortiça e em frascos vedados hermeticamente, e em seguida fervidos por muito tempo e após alguns dias foram observados microrganismos nos frascos com cortiça.
e) Caldos nutritivos à base de carne foram colocados em frascos abertos e frascos tampados com pergaminhos e após alguns dias o conteúdo dos frascos destampados estava repleto de microrganismos.
27. (UFPel) Um dos mistérios mais difíceis e interessantes, envolvendo a origem da vida, é a forma exata como o material genético se formou a partir das moléculas simples presentes na Terra primitiva. Pesquisadores têm mais uma razão para pensar que o ácido ribonucleico (RNA) veio antes do ácido desoxirribonucleico (DNA), pelo fato de existir RNA com função enzimática e do ribossomo ser composto por moléculas de RNA e de proteínas. Um dos experimentos mais famosos sobre a formação de moléculas orgânicas na Terra primitiva foi o de Miller-Urey; esses cientistas tentaram provar a formação de moléculas orgânicas a partir de gases.
Scientific American Brasil, nº 89, outubro de 2009 [adapt.].
Baseado no texto é correto afirmar que o experimento de Miller-Urey:
a) Comprovou que o RNA, formado por aminoácidos, originou-se antes que o DNA, formado por nucleotídeos.
b) Comprovou que o ribossomo, responsável pela síntese das proteínas, DNA e RNA, foi uma das primeiras organelas originadas nos seres vivos.
c) Comprovou que as moléculas orgânicas originam as moléculas inorgânicas, como o RNA, portanto somente o RNA pode ter originado o DNA.
d) Não comprovou a formação de ácidos nucleicos, apenas de alguns aminoácidos.
e) Comprovou que a Terra se originou após a explosão, e esse evento foi fundamental para a formação dos ácidos nucleicos.
28. (UEPG) A respeito do surgimento da vida na Terra, segundo a hipótese da evolução gradual dos sistemas químicos, de Alexander I. Oparin, assinale o que for correto.
I   II
0  0 – Os primeiros seres vivos se formaram “espontaneamente” nos mares aquecidos da Terra primitiva, centenas de milhões de anos depois que ela se formou.
1  1 – Acredita-se que as primeiras moléculas orgânicas tenham se formado na atmosfera graças à ação das descargas elétricas próprias de frequentes tempestades, que desencadearam reações entre alguns dos componentes da atmosfera primitiva. Essas moléculas, extremamente simples, foram levadas pelas chuvas aos mares.
2  2 – O aumento progressivo de moléculas orgânicas nos mares primitivos formou uma verdadeira “sopa nutritiva”, rica principalmente em aminoácidos e proteínas.
3  3 – Nos mares primitivos desenvolveram-se sistemas coloidais, ou seja, em determinadas condições, as moléculas de proteínas envoltas por moléculas de água aproximaram-se umas das outras, formando numerosos aglomerados, que Oparin denominou coacervados.
4  4 – Alguns cientistas demonstraram que as condições iniciais postuladas por Oparin podem ter sido favoráveis ao surgimento das moléculas precursoras da vida na Terra.
29. (UESPI) Em março de 2009, a Agência Espacial Americana (NASA) iniciou a procura de planetas semelhantes à Terra, utilizando para isso o poderoso telescópio Kepler que, do espaço, transmitirá imagens aos astrônomos. Considerando a possibilidade da existência de vida em outros planetas, que características tais organismos deveriam possuir em um ambiente primitivo semelhante à Terra há 4,5 bilhões de anos?
a) As primeiras células deveriam ter carioteca e cloroplasto.
b) Seu material genético deveria ser formado de DNA fita dupla.
c) Seu metabolismo deveria ser quimioautotrófico.
d) Consumiriam matéria orgânica como fonte de nutrientes.
e) Seriam fotossintetizantes.
30. (UESPI) Após utilizar parte do molho de tomate que preparara, Mariana guardou o que restou na geladeira. Depois de alguns dias, ao tentar reutilizar o molho, percebeu que este estava tomado por bolores (fungos). Considerando os princípios da origem da vida, é correto afirmar que:
a) O surgimento de bolores no molho de tomate (matéria inanimada) ilustra o princípio da geração espontânea.
b) Segundo o princípio da biogênese, o bolor haveria crescido no molho devido à sua contaminação anterior por fungos presentes no ambiente.
c) O princípio da geração espontânea sustenta que organismos vivos surgem de organismos mortos da mesma espécie.
d) Caso não houvessem surgido bolores no molho de tomate, o princípio da biogênese estaria refutado.
e) Os princípios da Biogênese e da Geração espontânea não explicam o surgimento de bolores em alimentos.

GABARITO


01 02 03 04 05 06 07 08 09 10
A A VVFVF D C FVFVV D E E C
11 12 13 14 15 16 17 18 19 20
E B A D B VVFVF A B C A
21 22 23 24 25 26 27 28 29 30
B B D D C C D VVVVV C B


Follow by Email

Total de visualizações de página

 
Desenvolvido por Othon Fagundes