19 de mai de 2017

SLIDES RELAÇÕES ECOLÓGICAS


Projeto você é o que você come


Projeto você é o que você como.


15 de mai de 2017

Como a evolução transformou os gatos em animais solitários

Gato


Quão difícil pode ser domar um gato?
Pergunte a Daniel Mills, professor de Veterinária comportamental na Universidade de Lincoln (Reino Unido). Em um estudo recente, Mills e sua colega Alice Potter comprovaram de modo científico o que já se sabia na prática: gatos são mais autônomos e solitários do que os cachorros.
Apesar de envolver a já famosa reputação dos gatos, executar essa pesquisa foi mais difícil do que poderia parecer.
"Eles são complicados se você quer que façam algo de uma certa maneira", diz Mills. "Eles tendem a fazer o que querem."

Donos de gatos do mundo inteiro irão concordar. Mas por que exatamente os gatos são tão relutantes em cooperar, seja entre si ou com humanos? Ou, perguntando de outra forma, por que tantos outros animais - domésticos ou selvagens - têm espírito de equipe?
A vida em grupo é comum na natureza. Pássaros formam bandos e peixes, cardumes. Predadores frequentemente caçam juntos. Até mesmo o leão, parente do gato doméstico, vive em grupo.
Para as espécies que são caçadas por outras, obviamente há uma estratégia de maior segurança em um bando. "Chama-se efeito de diluição", diz o biólogo Craig Packer, da Universidade de Minnesota (EUA).
"Um predador só consegue matar um, e se há cem da mesma espécie isso reduz as chances de cada um deles ser pego para 1%. Mas se você estiver sozinho você será escolhido 100% das vezes."


Animais em bando também se beneficiam do efeito "muitos olhos atentos": quanto maior o grupo, é mais provável que alguém perceba um predador se aproximando. "E quanto mais cedo você detectar o predador, mais tempo tem para iniciar a fuga", diz Jens Krause, da Universidade de Humboldt em Berlim, Alemanha.
Essa vigilância coletiva traz outras vantagens. Cada um pode gastar mais tempo e energia procurando por comida. E não se trata apenas de evitar predadores. Animais que socializam em grupos não precisam perambular em busca de companheiros, o que é um problema para espécies solitárias que vivem em territórios amplos.
Uma vez que se reproduzem, muitos animais que vivem em grupo adotam a máxima "é necessária uma aldeia inteira para criar uma criança", com os adultos trabalhando em equipe para proteger ou alimentar os mais novos.
Em várias espécies de pássaros, como a zaragateiro-árabe de Israel, os pequenos permanecem em grupos de familiares até que eles estejam prontos para procriar. Eles dançam em grupo, tomam banho juntos e até trocam presentes entre si.

Princípio 'Volta da França'

Viver em grupo também poupa energia. Os pássaros que migram juntos ou os peixes que vivem em cardumes se movimentam com mais eficiência do que os mais solitários.
É o mesmo princípio que os ciclistas da Volta da França utilizam quando formam um pelotão. "Os que estão mais atrás não precisam investir tanta energia para atingir a mesma velocidade de locomoção", diz Krause.
Como pinguins e morcegos podem atestar, a vida pode ser mais calorosa quando se vive cercado de amigos.

Direito de imagem Alamy
Image caption Os pinguins-imperadores (Aptenodytes forsteri) se agrupam para suportar o frio
Com tantos benefícios, pode parecer surpreendente que qualquer animal rejeite seus companheiros. Mas, como os gatos domésticos demonstram, a vida em grupo não é para todos. Para alguns animais, os benefícios da coletividade não compensam ter que dividir comida.
"Chega a um ponto em que se alimentar com outros indivíduos com grande proximidade reduz a sua quantidade de alimento", diz John Fryxell, biólogo da Universidade de Guelph, no Canadá.
Um fator-chave para essa decisão é ter alimentação suficiente, o que depende de quanta comida cada animal precisa. E os gatos têm um gosto caro. Por exemplo, um leopardo come cerca de 23 kg de carne em poucos dias. Para gatos selvagens, a competição por alimentos é cruel, e por isso leopardos vivem e caçam sozinhos.
Há uma exceção à regra de felinos solitários: leões. Para eles, é uma questão territorial, diz Packer, que passou 50 anos de sua vida estudando os leões africanos. Alguns locais da savana têm emboscadas perfeitas para a caça, então controlar esse lugar resulta em uma vantagem significativa em termos de sobrevivência.
"Isso impõe sociabilidade porque você precisa de equipes para dominar seu bairro local e excluir outros times. Assim, o maior time vence", diz Packer.
O que torna essa vida em grupo possível é que a presa de um único leão - um gnu ou uma zebra - é grande o bastante para alimentar várias fêmeas de uma vez só. "O tamanho da caça permite que eles vivam em grupos mas é a geografia o que realmente os leva a viver em grupos", diz Packer.
Não é a mesma situação dos gatos domésticos, já que eles caçam animais pequenos. "Eles vão comê-lo inteiro", diz Packer. "Não há comida o suficiente para dividir."

Direito de imagem Life on white/Alamy
Image caption Gatos comem um rato inteiro por vez, sem possibilidade de dividir

Domesticação

Essa lógica econômica está tão integrada ao comportamento dos gatos que parece improvável que até mesmo a domesticação tenha alterado essa preferência fundamental por solidão.
Isso é duplamente verdade quando você leva em consideração o fato de que os humanos não domesticaram os gatos. Em vez disso, em seu próprio estilo, os gatos domesticaram a si mesmos.
Todos os gatos domésticos são descendentes dos gatos selvagens do Oriente Médio (Felis silvestris), o "gato-do-mato". Os humanos não coagiram esses gatos a deixar as florestas: eles mesmos se convidaram a entrar nos alojamentos de humanos, onde havia uma quantidade ilimitada de ratos ao seu dispor.
A invasão a essa festa de ratos foi o início de uma relação simbiótica. Os gatos adoraram a abundância de ratos nos alojamentos e depósitos e os humanos gostaram do controle grátis da infestação de ratos.
Os gatos domésticos não são completamente antissociais. Mas sua sociabilidade - em relação a outro humano ou entre eles - é determinada inteiramente por eles, em seus próprios termos.
"Eles mantêm um nível alto de independência e se aproximam de nós apenas quando querem", diz Dennis Turner, especialista em comportamento animal no Instituto de Etologia Aplicada e Psicologia Animal em Horgen, Suíça.
"Os gatos desenvolveram muitos mecanismos para se manter à parte, o que não os conduz para a vida em bando", diz Mills. Os gatos marcam seu território para evitar encontros constrangedores entre si. Se eles acidentalmente se toparem, os pêlos são levantados e as garras saltam para fora.

 
Em determinadas circunstâncias pode parecer que os gatos domésticos adotaram a vida coletiva, como quando um grupo vive junto em um galpão. Mas não se engane. "Eles têm laços muito frouxos e não têm uma identidade real como grupo", diz Fryxell. "Eles só gostam de ter um lugar comum para deixar seus filhotes."
Aliás, mesmo diante de um grande perigo, quando eles se unem para se defender, é pouco provável que os gatos colaborem entre si. "Não é que algo que eles tipicamente façam quando se sentem ameaçados", diz Monique Udell, bióloga da Universidade de Oregon (EUA).
Os gatos simplesmente não acreditam na força de um grupo. Tudo isso ajuda a explicar por que os gatos têm a reputação de dominação impossível. Ainda assim, há evidências de que o desprezo dos gatos pela vida em grupo possa ser uma fraqueza.

Caixa-preta da menta felina

Um estudo publicado em 2014 no periódico científico Journal of Comparative Psychology investigou os traços de personalidade dos gatos domésticos. A conclusão foi que manter-se solitário e desinteressado torna os gatos neuróticos, impulsivos e resistentes a ordens.
Curiosamente, no entanto, os gatos domésticos parecem capazes de cooperar um pouco mais que seus parentes selvagens. Quando os pesquisadores compararam o gato doméstico a quatro selvagens - o gato selvagem escocês, o leopardo-nebuloso, o leopardo-da-neve e os leões africanos -, os gatos domésticos foram os que mais se aproximaram dos leões em termos de personalidade.

 
de seus ancestrais até aqui em termos de tolerar a companhia um do outro. Mesmo que gatos morando em galpões formem laços frouxos, eles ainda demonstram um nível impressionante de aceitação da presença do outro nesses espaços confinados.
Em Roma, cerca de 200 gatos vivem lado a lado no Coliseu, enquanto na ilha de Aoshima, no Japão, o número de gatos supera o de pessoas em uma proporção de seis para um. Essas colônias podem não ter tanta cooperação, mas estão bem avançadas em relação ao passado solitário dos gatos domésticos.
Enquanto isso, pode ser mais fácil para pesquisadores encontrar os gatos "no meio do caminho" ao realizar seus experimentos, fazendo certas concessões.
Quando Udell fez suas primeiras experiências com gatos, enfrentou uma série de dificuldades ao tentar motivar suas cobaias a participar de certa atividade. Ela já havia trabalhado com cachorros, que estariam dispostos a fazer qualquer coisa em troca de um petisco.
Os gatos, contudo, eram mais exigentes. Com o passar do tempo, Udell percebeu que teria mais sucesso se desse aos gatos a opção de escolher sua recompensa.
"Acho que parte do desafio é o quanto sabemos sobre os gatos", diz. Se os cientistas começarem a entrar na caixa-preta que é a mente felina, a domesticação à força pode ser substituída por uma coerção mais astuta.
"Muito do comportamento animal - incluindo uma afinidade ou resistência à domesticação - é profundamente ligado ao circuito neural. Portanto, parece pouco possível deixar para trás anos de seleção natural", diz Fryxell.
"Mas quem sabe? Obviamente, leões conseguiram essa proeza, então deve ser possível que mutações ocorram", diz ele. "E se eles conseguiram fazer isso, talvez domesticar gatos não seja uma ideia tão maluca, afinal de contas."

Estudo identifica risco de ataque cardíaco em uso de analgésicos comuns

Pacotes de anti-inflamatórios não esteróides
Um novo estudo sugere uma ligação entre o consumo de altas doses de analgésicos anti-inflamatórios - como ibuprofeno - e ataques cardíacos.
A pesquisa, publicada no British Medical Journal, baseia-se em um estudo anterior, que já havia identificado uma possível ligação no consumo desses medicamentos e riscos de doenças cardíacas.
Esse estudo mais recente sugere que o risco pode ser maior nos primeiros 30 dias de uso. Mas cientistas afirmam que são necessários mais testes para identificar o tamanho do risco e de que forma essa relação se dá.
Nesse estudo, um time internacional de cientistas analisou dados de 446.763 pessoas para tentar entender a ocorrência de problemas cardíacos.
Os cientistas, contudo, focaram apenas em pessoas que consumiram anti-inflamatórios não esteroides (como ibuprofeno, aspirina, diclofenaco, celecoxibe e naproxeno) adquiridos com receita médica - e não em pessoas que compraram os analgésicos sem receita.
Ao se debruçar nos dados do Canadá, Finlândia e Reino Unido, pesquisadores identificaram o risco de ataque cardíaco já na primeira semana de consumo. O risco foi destacado ao longo do primeiro mês quando as pessoas estavam tomando doses altas - por exemplo, 1200 mg de ibuprofeno por dia.
Mas cientistas admitem que há outros fatores que dificultam estabelecer com precisão de que forma se dá a relação direta de causa e efeito entre analgésicos e ataques cardíacos.
Direito de imagem Science Photo Library
Image caption Responsáveis pelo estudo admitem que anti-inflamatórios receitados para dor podem não ser a única causa do aumento do risco de ataque cardíaco

Dá para culpar os analgésicos?

Kevin McConway, professor emérito de estatística da Open University, no Reino Unido, questionou aspectos do estudo. Ele cita o exemplo de alguém que sofre com dor intensa e é medicado com altas doses de analgésico, e, então, tem um ataque do coração na semana seguinte ao início do uso do medicamento.
"Vai ser bem difícil dizer se o ataque cardíaco foi causado pelo analgésico ou pelo o que quer que tenha levado à prescrição do medicamento. Pode até ser uma outra coisa completamente diferente", afirma.
O professor McConway salienta que fatores como fumo e obesidade também podem estar por trás do risco de ataques do coração nas pessoas focadas no estudo.

O que os pacientes devem fazer?

Médicos estão cientes de que estudos anteriores já indicavam que anti-inflamatórios não esteroides podem aumentar o risco de problemas do coração e de derrames.
Atualmente no Reino Unido, por exemplo, há a recomendação de usar com cautela esses medicamentos em pacientes com problemas cardíacos. Em alguns casos, como em pacientes com falência cardíaca, esses remédios não podem ser receitados sob hipótese alguma.
Mike Knapton, da British Heart Foundation, sugere que pacientes e médicos avaliem riscos e benefícios relacionados ao uso de elevadas doses desses analgésicos convencionais, em especial nos casos dos que já tiveram um ataque cardíaco ou que têm risco em potencial.
A médica e professora Helen Stokes-Lampard, por sua vez, afirma que qualquer decisão de prescrever esse tipo de medicamento precisa se basear no prontuário do paciente e em circunstâncias individuais, que precisam ser revisadas periodicamente.
Ela diz que o uso deles em pessoas com dores crônicas já está sendo reduzido e que alguns dos medicamentos testados na pesquisa (como celecoxibe) já não mais são prescritos no Reino Unido. "Sabe-se que o uso prolongado pode provocar efeitos colaterais sérios em alguns pacientes", afirma Stokes-Lampard.
e o uso desses remédios sem receita médica?
A pesquisa analisou somente casos de quem usa analgésico com receita médica. Não avaliou, portanto, a situação de pacientes que compram esse tipo de medicamento sem prescrição, nas farmácias.
Mas a professora Helen Stokes-Lampard disse que o estudo deveria também chamar atenção para os pacientes que se automedicam com anti-inflamatórios não esteroides para se livrar de dores.
O sistema de saúde público do Reino Unido, por exemplo, orienta as pessoas a tomar sempre as menores doses possíveis por um curto período de tempo. E se as pessoas acham que precisam de doses mais altas, tem sempre de consultar um médico.

Quão alto é o risco de ter um ataque cardíaco?

Pesquisadores independentes dizem que uma das principais armadilhas do estudo é que ele não especifica claramente qual é o risco absoluto - ou o risco básico de pessoas terem ataques cardíacos ao usarem os anti-inflamatórios não esteroides.
Sem compreender o tamanho do risco, afirmam esses pesquisadores, é difícil avaliar o impacto de um possível aumento nas chances de se ter um ataque cardíaco.
Enquanto isso, o professor Stephen Evans, da escola britânica de Higiene e Medicina Tropical, em Londres, disse que, apesar de o estudo ter indicado que mesmo o uso por alguns dias pode estar associado a um risco aumentado de ataque cardíaco, essa relação pode não ser tão clara quanto os autores sugerem.
"As duas questões principais são que os riscos são relativamente pequenos e, para a maioria das pessoas que não tem alto risco de um ataque cardíaco, essas descobertas têm implicações mínimas".

 http://www.bbc.com/portuguese/internacional-39868956

Faça o teste caseiro para saber se você está dormindo menos do que precisa

ormir de sete a oito horas por dia é a média considerada ideal por organizações mundiais de saúde. Mas boa parte da população não consegue.
Dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) mostram, por exemplo, que um em cada três adultos americanos não dorme o suficiente.
Um estudo publicado na revista Science Advances mostrou ainda que os brasileiros estão entre aqueles com as noites mais curtas de sono do mundo: dormimos uma média de 7h36m por noite - mais horas apenas do que japoneses e cingapurianos.
O especialista em sono Nathaniel Kleitman, da Universidade de Chicago (EUA), criou um teste simples que qualquer um pode tentar em casa para saber se tem déficit de sono.
Kleitman apresentou a técnica no documentário The Truth About Sleep (A verdade sobre o sono, em tradução livre), apresentado pelo médico britânico Michael Mosley, do programa da BBC Trust me, I'm a doctor.
Image caption O médico Michael Mosley apresenta programa de BBC focado no sono

Como fazer o teste

O teste ajuda a medir a duração do período de latência - o intervalo entre estar acordado e cair no sono. Ele deve ser feito nas primeiras horas da tarde, com a ajuda de uma colher e uma bandeja de metal.
Você deve se deitar num quarto silencioso e escuro e segurar uma colher na mão na beira da cama. Logo abaixo, no chão, deve colocar uma bandeja de metal.
Então, marque o horário antes de fechar os olhos. Ao dormir, a colher deve cair e bater na bandeja, provocando um ruído que irá despertá-lo.
Quando isso acontecer, você deve voltar a olhar para o relógio e ver quanto tempo se passou.
  • Se você dormir antes de cinco minutos depois de fechar os olhos, isso quer dizer que você tem um sério déficit de sono.
  • Se ocorrer em dez minutos, é um sinal de "certa falta de sono".
  • Se ficar acordado por ao menos 15 minutos, significa estar dormindo o suficiente.
Uma versão mais simples do teste seria programar um alarme de 15 minutos e notar se você dorme nesse período.
Direito de imagem Thinkstock
Image caption Adolescentes precisam dormir mais que adultos, em torno de nove horas por noite, segundo Mosley

A importância de dormir bem

O sono afeta nossa memória e como lidamos como nossas emoções.
Durante a etapa de sono profundo, o cérebro se ocupa de transformar a memória de curto prazo em lembranças de longo prazo, explica Mosley. Assim, cria-se mais espaço para a memória de curto prazo do dia seguinte.
E a fase do sono REM (sigla em inglês para a expressão "movimento rápido dos olhos"), explica o médico, é o único momento em que eliminamos do cérebro uma substância relacionada com o estresse, a noradrenalina.
Isso nos permite manter a calma enquanto nosso cérebro processa as atividades do dia, ajudando-nos a assimilar as experiências emocionais que vivemos.
     
Se não conseguir ter horas suficientes de sono REM, seu cérebro não terá tempo suficiente para processar as emoções, diz Mosley, o que explicaria por que nos sentimos estressados e ansiosos quando temos falta de sono.
A falta de sono, além disso, tem um efeito devastador sobre o controle de açúcar no sangue.
Há estudos que mostram que os adultos que dormem em média menos de sete horas por dia duplicam o risco de desenvolver diabetes tipo 2, enquanto o risco é cinco vezes maior para quem dorme menos de cinco horas. 

 http://www.bbc.com/portuguese/geral-39848416

3 de mai de 2017

O que é o 'secador de cabelo', fenômeno meteorológico que ajuda a derreter a Antártida


Plataforma de gelo Larsen CDireito de imagemBAS
Image captionSobre a superfície da plataforma gelada Larsen C, são observadas lagoas de água derretida
O vento não traz boas notícias para as plataformas de gelo do leste da península Antártica: segundo um novo estudo, um fenômeno atmosférico que provoca o derretimento da região é mais frequente do que se pensava.
Trata-se dos chamados ventos foehn, que percorrem as grandes montanhas da península, aumentando a temperatura do ar no lado oposto de onde ele sopra e provocando o descongelamento dessa área.
"A melhor maneira de entender estes ventos é (vê-lo) como um secador de cabelo", explica Jenny Turton, da Pesquisa Britânica Antártica (BAS, na sigla em inglês).
"Eles são quentes e secos e sopram ladeira abaixo. Na primavera, o ar sobre a plataforma de gelo é geralmente de -14°C, mas com os ventos foehn a temperatura fica acima do ponto de congelamento (de 0°C)."
Com isso, criam-se grandes lagos de água de um azul brilhante sobre a superfície da estrutura de gelo.

Duzentos por ano

Esses ventos quentes que sopram ladeira abaixo são muito comuns em outras regiões do planeta, e em cada lugar são chamados de um nome diferente.
Mapa da Antártida
Image captionLarsen C pode ter o mesmo destino das anteriores
Um exemplo são os ventos chinook, que sopram sobre as ladeiras orientais das Montanhas Rochosas, na América do Norte, e são exatamente iguais.
Foehn é o nome que esse vento ganhou originalmente nos Alpes europeus. E embora sua presença no continente branco seja conhecida há bastante tempo, o estudo da BAS representa o primeiro esforço de tentar quantificar seu comportamento.
Depois de examinar dados obtidos entre 2009 e 2012, Turton e seus colegas identificaram mais de 200 episódios de foehn por ano.
Larsen BDireito de imagemESA
Image captionA plataforma Larsen B era composta de milhares de lagos de água derretida antes que icebergs se desprendessem do continente, em 2002
Isso quer dizer que esses ventos ocorrem com uma frequência muito maior do que se pensava. E as zonas onde eles são produzidos também é mais ampla: foram registrados muito mais ao sul da península do que se esperava.
Com isso, os pesquisadores acreditam que a influência do fenômeno atmosférico no processo de derretimento do gelo na região tenha sido subestimada.
"Esperávamos que houvesse o processo de derretimento em janeiro, fevereiro, mas estamos vendo que ele também ocorre várias vezes em setembro, outubro, quando há frequentes ventos foehn", disse Turton à BBC.

Ameaça

A pesquisa foi apresentada em abril no congresso anual do Sindicato de Geociência Europeia (EGU 2017), em Viena, na Áustria. E ela é oportuna porque atualmente há um grande interesse na situação da plataforma de gelo Larsen C.
Cientistas estão preocupados com que ela seja afetada da mesma forma que ocorreu com suas irmãs, Larsen A e Larsen B, localizadas mais ao norte da Antártida. Elas colapsaram em 1995 e 2002, respectivamente.
A Larsen C tem semelhanças com as irmãs, especialmente no fato de existirem lá várias lagoas de água derretida.
Água derretidaDireito de imagemBAS
Image captionA água derretida pode acelerar a abertura das fendas na plataforma
A água se torna um problema porque pode inundar as fendas e acabar forçando novas rachaduras no gelo. Esse processo, conhecido como hidrofraturação, vai progressivamente debilitando a plataforma.
Isso está levando à formação de um enorme iceberg na Larsen C. Trata-se de uma massa de gelo de 5 mil km² prestes a se separar do continente.
Ao se descolar, um bloco desse tamanho pode mudar a configuração de forças da estrutura da plataforma original.

Passos lentos

Os colapsos das plataformas Larsen A e B também foram precedidos por grandes rachaduras.
Mas o processo não ocorre de um dia para o outro - ele demora anos para ser concluído.
Imagens de radarDireito de imagemCOPERNICUS SENTINEL/A.HOGG/CPOM/PRIESTLY CENTRE
Image captionUm radar envia a cada seis dias imagens da situação em que se encontra a fenda da plataforma Larsen C
A plataforma Larsen C está unida ao continente gelado por uma extensão de apenas 20 km de gelo. Mas, pelo menos, a fenda que pode futuramente levar à sua separação está se aprofundando num ritmo mais lento do que o registrado anteriormente.
"A fenda agora está em uma zona que é mais mole, uma vez que o gelo é mais quente e tem mais água", explicou à BBC o pesquisador Adrian Luckman.
E por essa razão, acrescenta, não pode se propagar tão rápido como aconteceu no caso do gelo mais frio. Ainda assim, eles acompanham de perto o avanço da fenda e a cada seis dias recebem informações por um radar.
Os resultados indicam que ela se abre numa velocidade de um metro por dia. No total, a lacuna já tem mais de 450 metros.
http://www.bbc.com/portuguese/geral-39780721

Consumo diário de refrigerante diet aumenta risco de derrame e demência, indica estudo

Refrigerante de cola

Direito de imagemSPL
Image captionDe acordo com pesquisa, tomar pelo menos uma lata de refrigerante diet por dia está associado a um risco quase três vezes maior de desenvolver essas doenças
Bebidas adoçadas artificialmente, como refrigerante diet, podem aumentar o risco de acidente vascular cerebral e demência. É o que mostra uma pesquisa da Universidade de Boston, publicada na revista científica americana Stroke.
De acordo com o estudo, tomar pelo menos uma lata de refrigerante diet por dia está associado a um risco quase três vezes maior de sofrer um acidente vascular cerebral ou desenvolver demência.
O estudo ressalta, no entanto, que a versão "normal" das bebidas, adoçadas com açúcar, não está associada ao risco de desenvolver qualquer uma dessas condições, contrariando algumas pesquisas já realizadas anteriormente.
"Não foi surpresa descobrir que a ingestão de refrigerante diet está associada com acidente vascular cerebral e demência. O que me surpreendeu foi que a ingestão de bebidas adoçadas com açúcar não está associada a esses riscos, porque as bebidas com açúcar são conhecidas por não serem saudáveis", disse Matthew Pase, que coordenou a pesquisa, em entrevista à CNN.
Os pesquisadores admitem, no entanto, que não conseguiram provar uma relação direta de causa e efeito entre a ingestão de bebidas adoçadas artificialmente e o aumento do risco de derrame e demência. Segundo eles, trata-se de uma associação, já que o estudo se baseia em observações e dados fornecidos por meio de um questionário sobre hábitos alimentares.

A pesquisa

Cerca de 4 mil pessoas participaram da pesquisa, que organizou dois grupos de estudo por faixa etária: 2.888 adultos com mais de 45 anos (para analisar a incidência de derrame) e 1.484 com mais de 60 anos (para avaliar os casos demência). Os dados, coletados por meio de questionários, foram cedido pelo Framingham Heart Study, extenso projeto da Universidade de Boston sobre doença cardiovasculares.
Os pesquisadores analisaram a quantidade de bebidas e refrigerantes diet e normal ingerida por cada participante, em diferentes momentos, entre 1991 e 2001. Em seguida, compararam com o número de pessoas foram vítimas de derrame ou demência num prazo de 10 anos . No período, foram observados 97 casos de acidente vascular cerebral (82 isquêmicos, causado por vasos sanguíneos bloqueados) e 81 de demência (63 compatíveis com Alzheimer).
"Após fazer ajustes por idade, sexo, educação (para análise da demência), ingestão calórica, qualidade da dieta, atividade física e tabagismo, maior consumo recente e maior de refrigerantes adoçados artificialmente foram associados a um risco maior de AVC isquêmico e demência, como a doença de Alzheimer", diz o estudo.
De acordo com a pesquisa, aqueles que consumiam pelo menos uma lata de bebida diet diariamente eram 2,96 vezes mais propensos a sofrer um acidente vascular cerebral isquêmico e tinham 2,89 vezes mais tendência a desenvolver o mal de Alzheimer do que aqueles que bebiam menos de uma vez por semana.

Outros estudos

Essa não é a primeira vez que bebidas diet são associadas ao desenvolvimento de problemas de saúde. A pesquisa cita o estudo Northern Manhattan, que teria revelado que "o consumo diário de refrigerante adoçado artificialmente estava ligado a um risco maior de incidentes vasculares, mas não de acidente vascular cerebral".
Outro exemplo mencionado é o Nurses Health Study and Health Professionals, que mostrou que "o alto consumo de açúcar e refrigerantes adoçados artificialmente foi associado a um risco maior de derrame".
http://www.bbc.com/portuguese/geral-39665431

Se você quer ganhar mais, deve trabalhar menos


Funcionário trabalhandoDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionA produtividade dos funcionários diminui consideravelmente após mais de 50 horas trabalhadas por semana
Quando Stuart Nomimizu foi transferido de Birmingham, na Inglaterra, para Tóquio, seus amigos e familiares começaram a se preocupar.
Eles raramente ouviam notícias de Nomimizu e tinham a impressão de que ele entrava no escritório de manhã cedo e voltava apenas tarde da noite. Seu horário de trabalho parecia tão extremo que eles nem sempre acreditavam que ele estava trabalhando tanto quanto ele dizia estar.
Para convencê-los, Nomimizu registrou uma semana de sua vida como um "assalariado" no ramo financeiro de Tóquio e postou o registro nas redes sociais para que eles entendessem melhor seu novo estilo de vida.
O vídeo resultante viralizou no YouTube com mais de um milhão de visualizações. Ele mostra uma semana em 2015 durante a temporada mais movimentada do setor financeiro - de janeiro a março - quando Nomimizu registrou 78 horas de trabalho e 35 de sono entre segunda e sábado (antes de trabalhar mais seis horas no domingo, o que não aparece no vídeo).
Homens dormindo no metrôDireito de imagemALAMY
Image captionCarga excessiva de trabalho faz parte da cultura japonesa
Chegou ao ponto em que Nomimizu acumulou tantas semanas de 80 horas de trabalho que ele desmaiou em seu apartamento à noite e quase caiu em cima de um apoio para TV. Quando o período de movimentação máxima finalmente terminou, ele disse que o escritório inteiro ficou "terrivelmente doente".
Enquanto a carga excessiva de trabalho de Nomimizu era de certa maneira temporária, ele disse que "há pessoas trabalhando para empresas em Tóquio com essa carga horária e vivem dia após dia assim durante o ano inteiro".
De fato, maratonas de trabalho fazem parte da cultura local e há até uma palavra em japonês, karoshi, que significa literalmente "morte por excesso de trabalho".
NomimizuDireito de imagemSTUART NOMIMIZU
Image captionDevido ao cansaço por trabalhar demais, Nomimizu (à esquerda) chegou a desmaiar em casa
O Ministério de Saúde, Trabalho e Bem-Estar Social do Japão lançou o primeiro relatório sobre karoshi em outubro do ano passado e apontou que cerca de uma em cada quatro empresas (ou 23%) têm funcionários fazendo mais do que 80 horas extras por mês.
"Os japoneses respeitam muito seus colegas, mas também existe uma dificuldade em falar o que você está pensando", diz Nomimizu. "Então você tem um monte de pessoas no nível mais baixo que ficarão no escritório até que o chefe vá para casa em um horário ridiculamente tarde".
O funcionário de 26 anos explica que, se você é o primeiro a sair, você não será visto como alguém que trabalha bem em equipe.
Executivos dormindo no expedienteDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionCerca de uma em cada quatro empresas (ou 23%) têm funcionários fazendo mais do que 80 horas extras por mês
Mas será que as longas horas de trabalho do Japão são mais produtivas do que as de outras partes do mundo? Nomimizu acha que não. Aliás, há cada vez mais evidências de que trabalhar por longas horas não é apenas prejudicial à saúde mas também nocivo para nossas carreiras e ruim para a produtividade em geral de uma companhia.

Quando menos é mais

Se há outro país conhecido por suas longas horas de trabalho e falta de tempo livre são os Estados Unidos. Uma pesquisa recente do instituto Gallup apontou que a média de trabalho de um funcionário americano empregado é de 47 horas por semana, quase um dia de trabalho a mais do que a carga tradicional das 9h às 17h.
Além disso, quase um em cada cinco funcionários (18%) trabalham 60 horas ou mais por semana. Apesar de sacrificar seu tempo com família e amigos para ficar no escritório, um outro estudo da campanha americana Project: Time Off descobriu que os "mártires" das longas horas de trabalho têm menos chance de receber um aumento do que seus colegas.
Mulheres trabalhandoDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionA média de trabalho de um funcionário americano empregado é de 47 horas por semana
"Nós descobrimos que as pessoas que tiram mais dias de folga - 11 dias ou mais - são as mais prováveis a receber um aumento do que as que tiram 10 ou menos dias", diz Katie Denis, uma pesquisadora do projeto. "Se você não está avançando - e nós descobrimos que não há relação entre horas de trabalho e avanço na carreira - então por que você está fazendo isso?"

Pouco retorno

Laura Vanderkam, especialista em gerenciamento de tempo e autora do livro 168 Horas afirma que "seu cérebro, assim como tudo, não consegue trabalhar sem limitações".
Na verdade, faz mal ir além dos nossos limites. "Quando trabalhamos depois de um certo ponto os retornos diminuem e acabamos cometendo erros", diz ela. "Nós também não temos as nossas melhores ideias nem energia para resolver problemas".
Há várias maneiras de tratar o trabalho em excesso. Por exemplo, muitos pensam que é preciso estar no trabalho quando o (a) chefe chega ou vai embora. No entanto, Vanderkam acredita que essa ideia muitas vezes pode ser enganadora. "Talvez a sua chefe queira o espaço só para ela de manhã e na verdade está irritada que você também chegue cedo".
Homem trabalhandoDireito de imagemALAMY
Image captionÉ mais provável que pessoas que tiram mais dias de folga ganhem aumento do que as que tiram menos dias
Vanderkam acredita que muitas pessoas não estão dispostas a criar limites em suas rotinas diárias por medo de não serem vistas como trabalhadoras. "Então nós sabotamos nossa própria produtividade dizendo 'vou trabalhar o dia todo, almoçar e cair no buraco da internet das 14h30'", explica.

Lado positivo

Trocar descanso por horas extras não pagas é um mau negócio tanto para funcionários quanto empregadores.
Um estudo da Universidade de Stanford indicou que a produtividade dos funcionários diminui consideravelmente após mais de 50 horas trabalhadas por semana e cai ainda mais depois de 56 horas semanais chegando a um ponto em que alguém que trabalha 70 horas por semana fica incapaz de produzir algo durante as 14 horas adicionais.
Estudos parecidos ligaram longas horas de trabalho com afastamentos, perda de memória a longo prazo e diminuição da capacidades de tomar decisões.
E o que as empresas estão fazendo para combater o inevitável esgotamento? Grandes companhias japonesas já tomaram uma decisão a respeito.
A Toyota estipulou um limite de 360 horas extras por ano (ou uma média de 30 horas por mês), enquanto a agência de publicidade Dentsu acabou de lançar um plano com oito pontos (incluindo encorajamento para férias regulares e desligamento das luzes do escritório às 22h) para melhorar seu ambiente de trabalho após o caso de suicídio de um funcionário motivado por exaustão.
Japonês dorme no escritórioDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionEmpresas japonesas dizem estar tomando medidas para contornar o problema
Enquanto isso, na Alemanha, grandes companhias como BMW e Volkswagen limitaram o uso de e-mails depois de certo horário para evitar a hiperconectividade.
Nos Estados Unidos, bancos de investimento como Credit Suisse e JPMorgan Chase lançaram novas diretrizes de trabalho para dissuadir analistas e associados (especialmente os 'millennials') de ir ao escritório nos finais de semana.
Vanderkam diz que quando você opera uma máquina sem manutenção você corre um risco alto de perdê-la com o passar do tempo e possivelmente em um momento bastante inoportuno. Parece que muitas empresas começaram a perceber que acontece o mesmo com humanos.
http://www.bbc.com/portuguese/vert-cap-39694644

Follow by Email

Postagens mais visitadas

Google+ Followers

Total de visualizações de página

 
Desenvolvido por Othon Fagundes