3 de jun de 2011

SÍNDROMES HUMANAS


Abaixo segue a tradução das 10 síndromes raras:

01. SÍNDROME DE RILEY-DAY
As vítimas dessa doença não sentem dores e ficam muito mais sujeitas a sofrer acidentes porque não registram qualquer aviso de dano nos tecidos do corpo, como cortes ou queimaduras.

A doença foi descrita pela primeira vez pelos médicos Milton Riley e Richard Day.

Sem o aviso de perigo que a dor proporciona às pessoas, a maioria dos portadores da síndrome tende a morrer jovem, por causa de ferimentos.

02. SÍNDROME DE COTARD
Depressão extrema, em que o doente passa a acreditar que já morreu e que todos a sua volta também estão mortos.

Em casos extremos, o sujeito começa a sentir-lhe a carne apodrecendo e vermes passeando pelo corpo.

O nome da doença faz referência ao médico francês Jules Cotard, que a descreveu pela primeira vez em 1880.

03. SÍNDROME DA REDUÇÃO GENITAL
Também conhecida como Koro, deixa a pessoa convencida de que seus genitais estão desaparecendo. A maioria dos casos é relatada em países da Ásia ou da África.

Um dos episódios mais estranhos ocorreu em Cingapura, em 1967, quando o serviço de saúde local registrou centenas de casos de homens que acreditavam que seu órgão sexual masculino estava sumindo.

Um único caso da síndrome da redução genital foi registrado até hoje no Brasil, no Instituto de Psiquiatria da USP.

04. CEGUEIRA EMOCIONAL
O problema foi descoberto recentemente por pesquisadores da Universidade de Yale, nos Estados Unidos.

Depois de olhar para alguma imagem forte, a pessoa portadora desta síndrome perde a vista por um curto espaço de tempo.

05. MALDIÇÃO DE ONDINA
O nome é uma referência a Ondina, ninfa das águas na mitologia pagã européia.

A doença faz com que as vítimas percam o controle da respiração: o portador da síndrome pode simplesmente esquecer-se de respirar e morrer sem ar.

Foi descoberta há 30 anos e já existem cerca de 400 casos no mundo.

06. SÍNDROME DE PICA
Sem referência à denominação brasileira chula para o órgão sexual masculino, o termo vem de uma espécie de pombo cuja característica alimentar é a de comer qualquer coisa que veja.

O portador desta síndrome sente um apetite compulsivo por coisas não comestíveis, como barro, pedras, tocos de cigarros, tinta, cabelo, etc.

Em 2004, médicos franceses atenderam um senhor de 62 anos que devorava moedas.

07. SÍNDROME DE ALICE
Doença que provoca distorções na percepção visual, fazendo com que alguns objetos próximos pareçam desproporcionalmente minúsculos.

O distúrbio foi descrito pela primeira vez em 1955, pelo psiquiatra inglês John Todd, que o batizou em homenagem ao livro de Lewis Carroll, Alice no país das maravilhas, onde a protagonista, Alice, enxergava coisas desproporcionais.

As vítimas da síndrome também vêem distorções no próprio corpo, acreditando que parte dele está mudando de forma ou de tamanho.

08. SÍNDROME DA MÃO ESTRANHA
A doença faz com que uma das mãos da vítima pareça ganhar vida própria.

O problema atinge principalmente pessoas com lesões no cérebro ou que passaram por cirurgias na região.

A mão do doente, à revelia de sua intenção, comete ações que podem embaraçá-lo.

09. SÍNDROME DE CAPGRAS
Após sofrer uma desilusão com o cônjuge, com os pais ou com qualquer outro parente, a pessoa passa a acreditar que eles foram seqüestrados e substituídos por impostores.

O sintoma por vezes se volta contra a própria vítima: ao se olhar no espelho, ela acredita que está vendo a imagem de um farsante.

A síndrome foi descoberta pelo psiquiatra francês Jean Marie Joseph Capgras, que a descreveu pela primeira vez em 1923.

Em graus mais extremos, a vítima acha que até objetos inanimados, como cadeiras, mesas e livros, foram substituídos por réplicas exatas.

10. SÍNDROME DO SOTAQUE ESTRANGEIRO
Após sofrer uma pancada ou qualquer outro tipo de lesão no cérebro, as vítimas desse distúrbio passam a falar com sotaque estrangeiro.

A língua varia, mas, na maioria dos casos, as vítimas desconhecem o novo idioma.

Pesquisadores da Universidade de Oxford, na Inglaterra, acreditam que o sintoma é causado por um trauma em áreas do cérebro responsáveis pela linguagem, provocando mudanças na entonação, na pronúncia e em outras características da fala.

Fonte: www.nautilus.com.br

0 comentários:

Postar um comentário

Follow by Email

Total de visualizações de página

 
Desenvolvido por Othon Fagundes